‘Para cumprir toda a justiça’

Mateus 3.15: Jesus não questionou nenhum mandamento do Pai.

Respondeu Jesus: “Deixe assim por enquanto; convém que assim façamos, para cumprir toda a justiça”. E João concordou.
Mateus 3.15

Jesus não tinha pecado que devia confessar ou pelo qual devia receber o perdão. João batizava as pessoas que se arrependiam dos pecados. Ele reconhecia que o Senhor não tinha pecado e não tinha necessidade da imersão na água. Protestou quando Jesus se apresentou para o batismo. É compreensível seu protesto e ele tinha certa razão. Continue lendo “‘Para cumprir toda a justiça’”

Na casa de meu Pai

Lucas 2.49: Jesus tomou uma decisão importante cedo na vida.

Ele perguntou: “Por que vocês estavam me procurando? Não sabiam que eu devia estar na casa de meu Pai?” Lucas 2.49

Jesus chegou até à morte na cruz para a salvação da humanidade porque muito tempo antes ele tomou uma decisão de procurar a vontade do Pai e de ocupar-se com os seus assuntos. Aos 12 anos de idade, já se mostrou concentrado na casa do Senhor e dedicado às coisas de Deus. Aos pais preocupados com seu bem-estar, ele responde, de certa forma, assim: É óbvio onde eu estaria. Continue lendo “Na casa de meu Pai”

Todas as coisas possíveis

Marcos 10.27: Com esse olhar e essa resposta, quem ousa contrariar?

Jesus olhou para eles e respondeu: “Para o homem é impossível, mas para Deus não; todas as coisas são possíveis para Deus”.
Marcos 10.27

Jesus responde a uma pergunta dos discípulos: “Neste caso, quem pode ser salvo?” v. 26. A pergunta surgiu depois do jovem rico recusar a seguir Jesus e depois de o Mestre repetir a dificuldade de um rico entrar no reino de Deus. Continue lendo “Todas as coisas possíveis”

Grandes vitórias ao seu rei

Salmo 18.50: O louvor pela vitória que Deus deu a Davi serve melhor ainda para a vitória da Cruz.

Ele dá grandes vitórias ao seu rei; é bondoso com o seu ungido, com Davi e os seus descendentes para sempre. Salmo 18.50

O que Deus fez por Davi e os seus descendentes serviram como pequeno tipo da vitória completa que deu ao seu Filho Jesus, também descendente de Davi. Salmo 18 é um salmo de louvor ao Senhor “quando este o livrou das mãos de todos os seus inimigos e das mãos de Saul”. O salmo aparece também em 2 Samuel 22 e foi incluído na coleção dos Salmos. Continue lendo “Grandes vitórias ao seu rei”

Cuidado com as obras da justiça

Mateus 6.1: Faz uma diferença por que fazemos as nossas obras.

Evitem praticar as suas obras de justiça diante dos outros para serem vistos por eles; porque, sendo assim, vocês já não terão nenhuma recompensa junto do Pai de vocês, que está nos céus.
Mateus 6.1 NAA

Jesus espera que façamos obras de justiça. Ou, literalmente, praticar a “justiça”. Nossa justiça tem de ser “muito superior” que a dos religiosos, para entrarmos no reino de Deus, Mateus 5.20. O termo nos dois versos é o mesmo. Uma das maneiras, portanto, como ela (ou elas, no caso) tem de ser superior é a motivação por trás dela. Continue lendo “Cuidado com as obras da justiça”

O que Deus fez

Atos 5.30-31: O foco da pregação é o que Deus fez em Cristo.

O Deus dos nossos antepassados ressuscitou Jesus, a quem os senhores mataram, suspendendo-o num madeiro. Deus o exaltou, colocando-o à sua direita como Príncipe e Salvador, para dar a Israel arrependimento e perdão de pecados. Atos 5.30-31

Perante o Sinédrio, autoridade máxima entre os judeus, Pedro e os outros apóstolos responderam, pela segunda vez, por sua pregação a respeito de Jesus. Com coragem e verdade, deixaram claro os grandes atos de Deus, apesar das ações do conselho. Continue lendo “O que Deus fez”

Seja como Deus, faça como Jesus

Efésios 5.1-2: A amor de Cristo é constante e sacrificial.

Portanto, sejam imitadores de Deus, como filhos amados, e vivam em amor, como também Cristo nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de aroma agradável a Deus. Efésios 5.1-2

A vida em Cristo é bem resumida por Paulo neste trecho. No centro, a pessoa de Deus. Na execução, o exemplo de Cristo. Na motivação, o amor sacrificial. Continue lendo “Seja como Deus, faça como Jesus”

Vocês, orem assim

Mateus 6.9: Jesus veio nos ensinar o caminho do Pai, o caminho ao Pai.

Vocês, orem assim: “Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome”. Mateus 6.9

O sermão do monte foi o grande ensino de Jesus—o seu grande ato—bem no início do seu ministério. Suas curas recebem um parágrafo; seu ensino, três capítulos. Seu ministério foi caracterizado pela instrução. Jesus veio ensinar o caminho do Pai, o caminho ao Pai. Continue lendo “Vocês, orem assim”

A natureza da sua promessa

1 João 2.25: E quem é “ele” que faz essa promessa?

E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna. 1 João 2.25

Em todos os seus escritos, esta é a única vez que João usa a palavra “promessa”. Assim, o texto nos apresenta um interesse especial. A promessa mencionada por João serve como incentivo para os leitores permanecerem na verdade da mensagem que receberam no início. Esta fidelidade significa permanência no Filho e no Pai, isto é, relaconamento e intimidade com eles. Continue lendo “A natureza da sua promessa”

Para ver a glória do Pai

Romanos 6.4: Na vida obediente a glória de Deus aparece.

Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.
Romanos 6.4

A glória de Deus se manifesta quando obedecemos à sua vontade. Há uma ligação entre a obediência ao mandamento de Deus e a manifestação da sua glória. Continue lendo “Para ver a glória do Pai”