O abandono de Deus

Marcos 15.34: O que Jesus bradou não precisamos bradar.

Por volta das três horas da tarde, Jesus bradou em alta voz: “Eloí, Eloí, lamá sabactâni?”, que significa “Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?” Marcos 15.34

É impossível entender a missão de Jesus sem entender sua experiência na cruz. E é impossível entender esta sem apreciar suas palavras faladas enquanto pendurava no sofrimento, em especial esta acima.

Jesus cita a primeira frase do salmo messiânico, o Salmo 22. O que Davi sentiu sem ser verdade—pois Deus estava com ele em todo momento durante suas provações—Jesus passa de verdade.

Jesus assumiu o nosso pecado e sofreu o nosso castigo. Sofreu em nosso lugar. Assim, ele sentiu o abandono de Deus. De maneira incompreensível ao ser humano, Jesus (Deus na carne) ficou longe do Pai (Deus em espírito).

Por isso Jesus brada em alta voz. Um brado de agonia de espírito. Seu sofrimento maior não foi físico, mas sim espiritual. Jesus percebeu o afastamento de Deus. Ele conheceu a verdadeira solidão.

Quando sob pressão ou em momento de extrema agitação, uma pessoa que fala várias línguas tende a reverter à língua materna, que aprendeu como criança. É isso que Jesus faz quando quando brada a Deus em aramaico. A separação atinge o âmago da sua alma.

Graças ao que Jesus experimentou na cruz, podemos ser restaurados à presença de Deus, sem ter que passar pelo que Jesus passou, sem ter que falar o que ele falou.

Pai, obrigado que eu não preciso bradar assim!

1 pensamento em “O abandono de Deus”

Deixe uma resposta