O agrado de Deus

Mateus 11.26: Uma oração, uma ação de graças, uma visão clara de Deus.

Em todo momento Deus demonstra seu caráter e revela sua benevolência para os homens. Temos de parar de olhar para o mundo e julgar Deus pelo que as pessoas fazem. Como podemos pensar mal de Deus quando ele não é o culpado pelas decisões das pessoas?

Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado.
Mateus 11.26 NVI

O Pai celestial faz tudo conforme sua vontade. No contexto dessa oração de Jesus, ele menciona que a verdade é dada aos pequeninos, isto é, aos simples e receptivos.

O termo “agrado” (grego: eudokia) significa “boa vontade, favor” (Léxico) ou ainda, benevolência (Rusconi). O termo foi usado na época para a aceitação ou consentimento de termos de contratos (Spicq). Na tradução grega do Antigo Testamento, o termo é usado no sentido da vontade ou desejo amoroso de Deus.

“Nos seus relacionamentos com os humanos, Deus é o Senhor soberano, benevolente e beneficente, totalmente livre para dispensar seu favor; é enfatizado que ele sente prazer em fazer o bem e que é bem disposto a aceitar a adoração do justo, ao mesmo tempo que recusa a dos ímpios” (Spicq).

Assim o termo descreve o agrado e a vontade de Deus. É o termo usado por Deus na imersão de Jesus. “É sempre uma questão da iniciativa suprema e graciosa, da vontade benevolente e eficaz de Deus” (Spicq).

A ênfase, portanto, está na iniciativa e liberdade absoluta da decisão de Deus. E estas mostram claramente a sua bondade para com os homens.

Ao invés de ser um Deus zangado, ilógico, implacável ou abusivo, ele se mostra Deus que age por sua natureza bondosa, sempre com a finalidade de salvar e preservar o maior número possível de pessoas.

Deus quer nos abençoar com tudo.

Como Jesus na sua oração, isso é grande motivo de gratidão.

Deixe uma resposta