O amor à atenção

Lucas 11.43: Cristo condenou nos fariseus e em seus seguidores.

O ego gosta de receber atenção. De fato, exige atenção dos outros. O ego vive para ser o centro das atenções das pessoas, porque no fundo é o egoísmo da pessoa.

Ai de vocês, fariseus, porque amam os lugares de honra nas sinagogas e as saudações em público!
Lucas 11.43 NVI

Dificilmente, há algo pior na religião do que o amor à atenção. Em algumas congregações há brigas para ver quem vai aparecer mais perante os irmãos nas assembleias.

Lembro-me, anos atrás, de ser punido pela “liderança” duma congregação, ficando sem ensinar ou aparecer perante ela por mais ou menos um ano. Ao invés de correr para outro lugar, nossa família permaneceu na congregação e submeti-me à punição. Foi um exercício instrutivo para mim.

A briga pelo espaço na frente da congregação e por influência dos assim-chamados “líderes” prejudica a todos. É contra o espírito de Cristo. Por isso, ele condenou o amor à atenção nos fariseus e, por extensão, o condena nos seus seguidores.

Pois tal amor não permite que atenção seja dada a quem merece: o glorioso Senhor Jesus Cristo.

2 pensamentos em “O amor à atenção”

  1. Excelente abordagem, Randal. Algumas vezes num passado distante, já tinha percebido algo nessa direção e fiquei sem palavras (literalmente), pois não sabia como concretizar a leitura da situação de tão estranha que era. Sabias palavras, as suas.
    Obrigada por compartilhar experiências pessoais com humildade.
    Grande exemplo.

  2. Olá, tenho visto de há muito os tais buscarem pela atenção e só faltam dizer
    EGO BONUM SUM. Precisamos buscas mais as coisas lá to alto.

Deixe uma resposta