Se alguém decidir fazer a vontade de Deus

João 7.17: Para saber, é preciso antes decidir.

Se alguém decidir fazer a vontade de Deus, descobrirá se o meu ensino vem de Deus ou se falo por mim mesmo. João 7.17

Jesus continua sua resposta à questão sobre como ele podia ensinar verdades tão poderosas, não sendo instruído formalmente, v 15. O Senhor afirma a possibilidade de saber qual ensinamento vem de Deus. Mas é necessário, primeiro, querer fazer a vontade de Deus para conhecê-lo. Continue lendo “Se alguém decidir fazer a vontade de Deus”

O meu ensino não é de mim mesmo

João 7.16: O ensino de Jesus veio do Pai; o nosso, do Senhor.

Jesus respondeu: “O meu ensino não é de mim mesmo. Vem daquele que me enviou”. João 7.16

Por mais importante que seja mostrar amor às pessoas, não se pode ignorar o conteúdo do que é falado. De fato, o conteúdo correto é sinal do amor. Continue lendo “O meu ensino não é de mim mesmo”

Digno do seu sustento

Mateus 10.9-10: Apoiemos o trabalhador na palavra de Deus.

Não levem nem ouro, nem prata, nem cobre em seus cintos; não levem nenhum saco de viagem, nem túnica extra, nem sandálias, nem bordão; pois o trabalhador é digno do seu sustento.
Mateus 10.9-10

Quando Jesus mandou os Doze na comissão limitada, proibiu que levassem qualquer coisa extra na sua jornada de pregação. Ele queria que os israelitas que os receberiam os sustentassem pela sua hospitalidade, com seus bens. Ele queria que os Doze e o povo de Israel respeitassem o princípio de o trabalhador receber dos outros o seu sustento. Continue lendo “Digno do seu sustento”

Relataram tudo

Marcos 6.30: Mostre a Jesus o que você fez.

Os apóstolos reuniram-se a Jesus e lhe relataram tudo o que tinham feito e ensinado. Marcos 6.30

O Senhor tinha enviado os Doze a pregar somente em Israel e a curar os doentes, 6.7-13. Temos chamado esse momento de a comissão limitada. Depois, eles voltaram ao Senhor e lhe relataram tudo o que havia acontecido. Continue lendo “Relataram tudo”

Jamais verá a morte

João 8.51: O mandamento é simples e a promessa, firme.

Asseguro-lhes que, se alguém obedecer à minha palavra, jamais verá a morte”. João 8.51

Os judeus não podiam aceitar essa declaração de Jesus, pois eram desobedientes à vontade de Deus. Assim, não pertenciam a Deus, v. 47. Entenderam corretamente que tal promessa como Jesus fez acima podia vir somente de alguém maior do que Abraão. Continue lendo “Jamais verá a morte”

O Cordeiro de Deus

João 1.29: Para receber o perdão, precisamos ver o Cordeiro.

No dia seguinte João viu Jesus aproximando-se e disse: “Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” João 1.29

Num dia João afirma não ser o Messias, e no outro ele aponta Jesus como o Enviado de Deus. Diz que seu trabalho existia para revelá-lo a Israel, v. 31. O trabalho de Jesus, porém, não seria limitado ao povo judaico. Ele nasceu entre os judeus, trabalhou entre eles, foi morto por eles, mas sua obra visava tirar o pecado do mundo, de toda a humanidade. Continue lendo “O Cordeiro de Deus”

Como filho de Deus e seguidor de Cristo

João 5.17: Todo filho de Deus faz como o seu Pai celestial.

Disse-lhes Jesus: “Meu Pai continua trabalhando até hoje, e eu também estou trabalhando”. João 5.17

Deus quer que todos sejam salvos. Como filho dele, quero o que ele quer. Deus não somente quer que todos sejam salvos, mas ele trabalha com esse intuito. Como filho dele, trabalho porque ele trabalha. Continue lendo “Como filho de Deus e seguidor de Cristo”

Nas tuas mãos

Lucas 23.46: As últimas palavras de Jesus na cruz também são nossas.

Jesus bradou em alta voz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Tendo dito isso, expirou. Lucas 23.46

O último ato de Jesus na terra foi exatamente como todos os outros atos dele ao longo da sua vida. Ele morreu como viveu. Submeteu-se à vontade do Pai até a morte. Continue lendo “Nas tuas mãos”

Destinados

1 Tessalonicenses 5.8-9: A sobriedade é qualidade da salvação.

Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo a couraça da fé e do amor e o capacete da esperança da salvação. Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para recebermos a salvação por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.
1 Tessalonicenses 5.8-9

No dia os homens trabalham. À noite, dormem e embriagam-se. No sentido espiritual, os cristãos não pertencem à noite, mas sim do dia. O desleixo, o descuido e a inatividade (sono), junto com a dissolução, a falta de autocontrole e a entrega às paixões (embriagar-se) trazem sobre a pessoa a ira de Deus. Continue lendo “Destinados”