Conhecia aquele lugar

Ora, Judas, o traidor, conhecia aquele lugar, porque Jesus muitas vezes se reunira ali com seus discí­pulos.
João 18.2

Parada noturna no monte das OliveirasAs pessoas sabem aonde ir para encontrar você? Conhecem tão bem os lugares que você frequenta que iriam para lá em busca de você? Onde iriam para achá-lo?

Judas conhecia os hábitos de Jesus. Quando chegou a hora de traí­-lo, dirigiu-se para o olival no monte das Oliveiras, fora da cidade de Jerusalém.

Jesus se retirava frequentemente da cidade para orar e para partilhar a palavra com seus seguidores. O olival era lugar propí­cio para a oração e o ensino, longe da agitação da cidade e da pressão das pessoas que queriam vê-lo.

E qual o lugar que você frequenta? O bar? O baile? O balcão da padaria? O sofá na frente da TV?

Ou no meio dos cristãos? Na sala de estar de uma famí­lia que precisa ouvir o evangelho? No quarto fechado para momento de oração?

Seus hábitos espirituais são tão bem estabelecidos que até seus inimigos os conhecem?

Explicação

Ele [o eunuco] respondeu: “Como posso entender se alguém não me explicar?” Assim convidou Filipe para subir e sentar-se ao seu lado.
Atos 8.31

EunucoO Senhor enviou Filipe a ensinar o eunuco de forma miraculosa. Mesmo assim, determinou que um ser humano ensinasse o evangelho de Jesus, ao invés de, digamos, um anjo ou o próprio Senhor.

O eunuco estava lendo o livro de Isaí­as, do Velho Testamento. Não entendia as profecias contidas no livro. Filipe mostrou que elas se aplicavam a Jesus.

Quem explica hoje para que se possa entender? Além de pregadores, professores e evangelistas, o próprio Novo Testamento serve como a explicação definitiva do Velho.

Se você não tem quem lhe explique a sua leitura da Bí­blia, Deus nos deu o Novo Testamento como a explanação “oficial” de tudo o que ele estava fazendo pela História e ainda vai fazer nestes fins dos tempos.

Nenhum fio de cabelo

Contudo, nenhum fio de cabelo da cabeça de vocês se perderá.
Lucas 21.18

Jesus acabara de falar aos discí­pulos que seriam traí­dos pelos mais próximos e que alguns deles seriam entregues í  morte. Como é, então, que Não se perderia nenhum fio de cabelo da cabeça deles?

Ele usa aqui uma figura de linguagem para dizer: Deus conhece profundamente toda situação pela qual seus filhos teriam de passar; ele oferece completa proteção, garantindo tudo o que é essencial í  vida e í  paz.

Não constituem tais elementos essenciais os bons relacionamentos e a própria vida (verso 16), nem a boa reputação na sociedade (verso 17), mas sim a perseverança em agradar a Deus (verso 19).

Que garantia encorajadora para quem enfrenta tais afliçíµes por causa do nome de Jesus!

Diabo nos detalhes

Digo-lhes a verdade: Enquanto existirem céus e terra, de forma alguma desaparecerá da Lei a menor letra ou o menor traço, até que tudo se cumpra.
Mateus 5.18

placaUm Toyota Corolla, roubado no mês passado, foi apreendido pela polí­cia na sexta-feira passada. A pista que levou í  apreensão do carro foi erro de grafia na placa falsificada.

O nome da cidade foi soletrado como “Frorianópolis”.

Dizem que o diabo mora nos detalhes. Em outras palavras, quem se prende aos detalhes tende a ir para o inferno.

A Bí­blia — e a notí­cia do carro roubado — apresentam-nos outra realidade.

Quem Não cuida dos detalhes paga o preço.

Jesus se preocupava com os detalhes. Até com a menor letra e o menor traço da Lei.

Nossa obediência deve também se “prender” aos detalhes.

Pois nos detalhes mora Deus.

Zoando

De Jericó Eliseu foi para Betel. Quando andava pelo caminho, certos rapazes saí­ram da cidade e começaram a troçar dele. –Sobe, careca!, gritavam eles. –Sobe, careca! Ele voltou-se e amaldiçoou-os em nome do Senhor. Então, duas ursas saí­ram do bosque, e mataram 42 deles.
2 Reis 2.23-24, BND

Betel foi uma das duas cidades nas quais Jeroboão erigiu bezerros de ouro como í­dolos. Eliseu, profeta de Deus, tinha acabado de tomar o lugar de Elias, depois da subida miraculosa deste para o céu. Eliseu acaba de purificar a água da cidade de Jericó.

Agora ele é confrontado por uma gangue de jovens dessa cidade idólatra. Tendo ouvido falar da subida de Elias, eles ficam caçoando de Eliseu, para que ele também “some” daí­.

A resposta de Eliseu e o fim repentino dos jovens mostram que Não se pode zoar de Deus nem de seu projeto neste mundo.

As coisas sagradas e os santos de Deus merecem atitude de respeito e reverência.

Mais numerosos

O profeta respondeu: “Não tenha medo. Aqueles que estão conosco são mais numerosos do que eles”.
2 Reis 6.16

O servo do profeta Eliseu viu apenas o exército da Sí­ria cercando a cidade de Dotã, enviado para capturar o homem de Deus.

O que fazer agora?

Mas o profeta enxerga mais do que o servo. Sabe que Deus é o “Senhor dos exércitos” e que nada acontece sem que ele permita.

Eliseu abriu os olhos do servo para ver “as colinas cheias de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu” (v. 17), para sua proteção.

O Senhor Jesus nos chama para ter fé, a crer, sem ver, que os cavalos e carros de fogo continuam cercando os fiéis, pois Não nos mostrará agora a sua presença.

Você crê nisso?

Primeiros frutos

Por sua decisão ele nos gerou pela palavra da verdade, para que sejamos como que os primeiros frutos de tudo o que criou.
Tiago 1.18

Os primeiros morangos da época parecem os mais saborosos. Passamos meses sem comê-los e quando chegam í  mesa, dão-nos prazer especial.

Os primeiros frutos são os melhores frutos, os mais gostosos, os mais prazerosos.

De tudo o que Deus criou, dá-lhe prazer especial re-criar os seres humanos í  sua imagem pelo novo nascimento em Cristo. Deus os gera pela palavra da verdade, pelo evangelho pregado pelos cristãos para que outros se tornem também seguidores de Jesus.

Nenhuma atividade criadora de Deus lhe dá tanto prazer como essa.

Assim, sentimos esse prazer dele quando obedecemos ao evangelho e quando pregamos a Cristo.

À imagem do seu Criador

Não mintam uns aos outros, visto que vocês já se despiram do velho homem com suas práticas e se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à  imagem do seu Criador, …
Colossenses 3.9-10

O projeto divino é recriar no ser humano a imagem original que tinha sido apagada pelo pecado. Dessa forma, o reconhecimento do Criador implica em padrões morais e éticos.

O ateu não tem nenhuma base para a ética ou a moralidade. Ele não tem motivo para ser honesto, compassivo ou í­ntegro. Mas no cristão o Espí­rito de Deus trabalha e com ele o cristão coopera para tirar as práticas que não concordam com o caráter de Deus, como se fossem roupas velhas e sujas.

No lugar, ele veste o novo homem que tem todos os traços do amor e da justiça do seu Criador.

Em lugar do Criador

Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas criadas, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém.
Romanos 1.25

Somente o Criador é digno de adoração. Quando se adora e serve coisas criadas, a humanidade se degrada. A idolatria conduz í  imoralidade sexual (v. 22-24), da qual o exemplo mais distante do intento divino é o homossexualismo (v. 26-28).

Se reconhecemos que existe um Criador, devemos aceitar sua verdade ao invés de trocá-la pela mentira.

Se existe um Criador, ele e somente ele merece nossa adoração e serviço obediente.

O Criador os fez

Do jeito que Deus fez as coisas no princípio é como ele quer que elas funcionem hoje ... inclusive o casamento, conforme Jesus disse em Mateus 19.4.

Ele respondeu: “Vocês não leram que, no princí­pio, o Criador os fez homem e mulher’ …?”
Mateus 19.4

Deus criou todas as coisas. Somente ele não foi criado, sendo aquele que era, que é e que há de ser. O Eterno.

Ele não somente nos criou, mas estabeleceu para nós um padrão de vida. Quando seguimos este padrão, teremos a alegria, a paz e o contentamento.

Jesus disse que o Criador fez o ser human como homem e mulher. O lar, compondo um homem casado com uma mulher, serve de base para a humanidade, para sua continuidade, para sua felicidade.

A fuga desse plano traz grandes prejuí­zos a todos. Por isso, não somente cristãos, mas a própria sociedade tem como dever preservar e incentivar o casamento e seu bom funcionamento.