Nas tuas mãos

Lucas 23.46: As últimas palavras de Jesus na cruz também são nossas.

Jesus bradou em alta voz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Tendo dito isso, expirou. Lucas 23.46

O último ato de Jesus na terra foi exatamente como todos os outros atos dele ao longo da sua vida. Ele morreu como viveu. Submeteu-se à vontade do Pai até a morte. Continue lendo “Nas tuas mãos”

A imitação de Cristo

1 Pedro 2.21: Fomos chamados para seguir nos passos de Jesus.

Para isso vocês foram chamados, pois também Cristo sofreu no lugar de vocês, deixando-lhes exemplo, para que sigam os seus passos. 1 Pedro 2.21

Seguir os passos de Jesus significa imitá-lo. Jesus não tinha nenhum pecado na sua vida, mas nossa imitação não implica em estar sem pecado. Significa imitar as suas atitudes. Continue lendo “A imitação de Cristo”

Procurou, encontrou

Mateus 13.44-46: Alto preço, tudo o que se tem.

O Reino dos céus é como um tesouro escondido num campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o de novo e, então, cheio de alegria, foi, vendeu tudo o que tinha e comprou aquele campo. O Reino dos céus também é como um negociante que procura pérolas preciosas. Encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo o que tinha e a comprou. —Mateus 13.44-46

Estas duas pequenas parábolas têm em comum uma frase que serve como o ponto de comparação principal: “vendeu tudo o que tinha e (…) comprou”. Continue lendo “Procurou, encontrou”

Onde se deve carregar a cruz

Lucas 23.46: O lugar não é mistério nem gera dúvida.

No teatro, os principiantes se preocupam bastante com o lugar correto no palco, onde se deve ficar, sentar, entrar e sair. Se errar, o ator pode estragar a cena.

Não há muito mistério nem dúvida sobre o lugar correto de quem carrega a cruz. Continue lendo “Onde se deve carregar a cruz”

Ação: Morrer

Lucas 9.23-24: Levante-se cada manhã dizendo: Hoje, viverei para Jesus!

LER: “Jesus dizia a todos: ‘Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá; mas quem perder a sua vida por minha causa, este a salvará’” Lc 9.23-24.

PENSAR: Para seguir Jesus, o Eu não pode sobreviver. Morrer para si é tarefa diária. A verdadeira pessoa não está no ego, mas sim em seguir Jesus. A auto-preservação é ato diabólico; a auto-entrega é ato divino. Seguir Jesus é o caminho da salvação. Condição para segui-lo: morrer! Continue lendo “Ação: Morrer”

Mais dedicados

Dt 32.9: Até que pontos somos dedicados a Deus?

Eles são mais dedicados a ti
do que aos seus próprios pais
e do que aos seus irmãos e filhos.
Eles obedecem às tuas leis
e cumprem a tua aliança.
Deuteronômio 33.9 NTLH

Quando os israelitas idolatraram o bezerro de ouro no deserto, Moisés mandou que os fiéis matassem os pecadores entre o povo, Êxodo 32. Os levitas cumpriram a ordem e foram por Deus abençoados. O Senhor reserva uma bênção para quem obedece aos seus mandamentos ao invés de se curvar perante o desejo de ser aceito pelos entes queridos.

A lista das coisas abandonadas

A disposição da lista nos diz muito.

Temos escrito bastante, recentemente, sobre o trecho de Mateus 19.27-30. Mas hoje apareceu uma estrutura no verso 29 que merece atenção. O verso:

E todos os que tiverem deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos ou campos, por minha causa, receberão cem vezes mais e herdarão a vida eterna.
Mateus 19.29 NVI

Há sete itens na lista de coisas que o discípulo pode e deve deixar por causa de Jesus, sete sendo a totalidade dos interesses e relacionamentos humanos.

A lista dos sete é organizada em paralelo inverso, com um elemento do meio. (Isso se chama quiasmo.) Veja as correspondências:

quiasmo Mateus 19

Casas e campos se correspondem uns aos outros, como também irmãos e filhos. As mulheres estão representadas pelas irmãs e mãe. Finalmente, o elemento no meio se destaca, o pai.

O pai era a fonte do sustento familiar. Estar sem pai deixava uma pessoa “sem recursos” (Salmo 10.14 NBV). O “órfão” neste verso é aquele que é “sem pai”. As crianças na condição sem pai ficavam “vulneráveis e frequentemente exploradas” (NET Bible). Do pai também vinha a herança.

Tudo isso ressalta o abandono de todas as coisas desta vida para se jogar totalmente pela fé nos cuidados de Deus.

Chego ao Senhor, meu Deus, sem nada, desprovido de qualquer recurso próprio, para que eu desfrute da sua bondade e confie em todas as suas promessas.

Segure essa ideia: A lista de Deus ultrapassa em muito a nossa lista de bens.

A última coisa que viu nesta vida

Janelinha, janelinha!

O discurso de Estêvão está cercado pelo uso de um mesmo termo. Antes da sua pregação ao sinédrio, Lucas nos informa que os judeus “olhavam firmemente” para Estêvão, que o rosto dele estava como o de um anjo (ver meditação de ontem). E depois da sua pregação, é a vez do pregador:

Mas Estêvão, cheio do Espírito Santo, olhou firmemente para o céu e viu a glória de Deus. E viu também Jesus em pé, ao lado direito de Deus.
Atos 7.55 NTLH

Os judeus olharam hostilmente para Estevâo e, embora vendo rosto de anjo, não enxergaram a razão da sua pregação.

Estêvão, por sua vez, olhou atentamente para o céu. O que viu foi a glória de Deus, pois ele tinha glorificado a Deus pela sua coragem e dedicação na proclamação do evangelho.

E a última coisa que ele viu nesta vida foi, com certeza, a primeira coisa que viu no Além.

Tais olhares fixos nos levam a perguntar: Em quem nós estamos olhando desta forma?

Pai, que meus olhos estejam sempre fixos em Jesus como o guia, exemplo, Senhor e Salvador. Pois desejo ver a sua glória. Amém.

Segure este pensamento: O olho é a janela da alma e a visão de Cristo a ilumina.