Saiba de onde veio e para onde vai

João 8.14: Seguindo Jesus, o homem sabe muito mais.

Às vezes, quando saem os filhos os pais cristãos lhes dizem: “Lembrem-se de quem vocês são”. Querem que o conhecimento de Cristo determine a conduta dos filhos quando estes estão longe de casa. Continue lendo “Saiba de onde veio e para onde vai”

Onde seremos consolados

Certos lugares nos trazem conforto. O cristão também tem um lugar desse.

Consolação espiritual

Em certos lugares sentimo-nos melhor. Nosso próprio lar é um desses lugares. Por mais que viajemos, estamos sempre felizes para chegar de volta ao nosso próprio espaço.

Israel também queria voltar para casa, depois de pecar e ficar banido da sua terra pelo Senhor. Deus prometeu:

Eu mesmo vou consolar vocês, em Jerusalém,
como uma mãe consola seu filho.
Isaías 66.13 NBV

O conforto na sua plenitude seria em Jerusalém, pois foi o lar dos israelitas. Os exilados voltariam. Nada como chegar em casa.

A maior consolação do cristão será a de ir para casa, para o lado de Deus. Por melhor que sejam aqui as coisas, nunca chegarão perto do “conforto” do lar celestial.

Nossa alma lamenta, Senhor, o domínio que Satanás tem sobre este mundo. Leve-nos para casa!

Segure este pensamento: Ao esperarmos para ser confortados no céu, segura a nossa atenção a promessa de Deus.

Você quer ir ao céu?

Pergunta do professor capta bem o sentido do livro de Apocalipse

como chegar ao céuAnos atrás, fiz a matéria do “Evangelismo Pessoal” com o professor Coleman Crocker. Ele distribuiu à classe sua folha de estudo bíblico (traduzido online aqui). Consistia de um punhado de perguntas, com respostas sim ou não. A primeira pergunta foi: “Você quer ir para o céu?”

Depois vi um novo céu e uma nova terra. O primeiro céu e a primeira terra tinham desaparecido e o mar já não existia mais.
Apocalipse 21.1 VFL

A pergunta do irmão Coleman bem poderia descrever a abordagem do apóstolo João ao escrever o livro de Apocalipse.

Até que ponto você quer ir para o céu? Seja fiel, a todo custo, e, depois de o universo material se dissolver, Deus o carregará para aquele lugar eterno, no qual tudo que é ruim terá sido eliminado.

Pouco gente pensa hoje no céu. Os cristãos pensam. Todo dia.

A volta de Cristo para conduzi-los à presença gloriosa de Deus resume sua motivação para a fidelidade, para o serviço, para o evangelismo.

Você quer ir ao céu?

Oh, Deus, quanto eu o quero! Glorioso, perfeito, puro, o céu. Agora mesmo. Neste exato momento. No qual tudo é bom e perfeito, onde ninguém morre o sofre, nem os pequeninos nem os idosos. Maranata!

Segure esta ideia: Em mim desejo ardente do céu acenda, / Que hoje eu suas ruas a andar aprenda.

Sinto-me realizado com a realização de Deus

Deus cumpre a promessa, nós queremos voar.

Ir para o céuQuando alguém cumpre uma promessa que nos fez, a satisfação é enorme. O Espírito fez uma promessa a Simeão, homem bom e piedoso, de que veria o Messias. Chega o dia da promessa:

Quando os pais levaram o menino Jesus ao Templo para fazer o que a Lei manda, Simeão pegou o menino no colo e louvou a Deus. Ele disse: —Agora, Senhor, cumpriste a promessa que fizeste e já podes deixar este teu servo partir em paz.
Lucas 2.27b-29 NTLH

Tudo indica que Simeão era idoso, embora o texto não declare o fato. E Simeão não chegou a ver a redenção de Israel. Mas viu o menino que, mais tarde como adulto, traria a salvação. Demoraria ainda mais de 30 anos, quase uma geração.

Só de ver o menino Jesus, porém, e de perceber que Deus estava colocando em ação o projeto por tanto tempo esperado pela nação de Israel, já era para Simeão mais do que suficiente, tanto que se sentia realizado e pronto para passar desta vida e adentrar a eternidade.

Esta sua prontidão marca o coração de cada cristão. Temos sim o nosso serviço no reino. Esperamos ainda fazer muitas conquistas espirituais. Não deixamos de fazer planos cuja estampa diz: “Se o Senhor quiser”. Sentimo-nos ainda impulsionados pela Grande Comissão.

Contudo, como Simeão, vimos a promessa divina se cumprir em Jesus e na sua crucificação. Vimos o sangue de Jesus aplicado às nossas almas no dia da nossa imersão em Cristo e a cada dia desde a nossa conversão. Sentimos a transformação da nossa vida, tornando-nos a cada dia mais como o nosso Mestre.

E como Simeão, ficamos impressos com a paz de Deus, com a satisfação da virada da história humana manifesta em nós. Recebemos dele a bem-aventurança que virou de ponta cabeça os valores do mundo, trazendo-nos a plenitude divina.

E ainda como Simeão, nós, idosos e jovens, homens e mulheres, ricos e pobres, vivemos na prontidão de ir embora para estar com Deus. A cada dia vamos, sim, trabalhar por ele, mas depositada no coração é a oração do maranata, o desejo de voar longe daqui, o sorriso que deixa escapar da boca este louvor a Deus: “já podes deixar este teu servo partir em paz”.

Fazer o que poucos fazem para ter o que poucos têm

O mundo e sua cobiça passam.

Ficar. Os jovens usam o termo para a paixão que, ironicamente, não fica. Imóveis. Pergunte um japonês se a terra é imóvel. Procuramos o eterno, tentamos investir no efêmero a qualidade de permanente, enganamo-nos a nós mesmos para pensar que temos no mundo o que resiste ao tempo.

O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.
1 João 2.17 NVI

Que disputa para as coisas deste mundo! As pessoas estudam, trabalham, se matam para conseguir o mundo e tudo perde num instante. Quem deseja as coisas de Deus pode tê-las sem impedimento. “Aquele” significa qualquer pessoa disposta a fazer a vontade de Deus. Todos têm acesso igual à eternidade. E aqui há pouca concorrência, pois os que fazem a vontade de Deus são poucos.

Mas eu estou decidido a fazer o que poucos fazem para ter o que poucos têm. E você?

Futuristas

O relógio cristão: Logo.

esperança cristãO cristão não vive para o momento presente, mas sim para um futuro próximo e eterno quando herdará a perfeição na presença de Deus. Tudo o que Deus fez no passado, e no presente faz, tem este propósito em mente.

Foi Deus que nos preparou para esse propósito, dando-nos o Espírito como garantia do que está por vir.
2 Coríntios 5.5 NVI

Paulo tinha acabado de descrever o propósito: “para que aquilo que é mortal seja absorvido pela vida” (v. 4). Por mais alegre que seja o presente, aguarda-nos o futuro onde todos os sonhos serão realizados, e muito mais.

Sendo assim, como podemos nos esquecer de trabalhar para aquele futuro e conduzir-nos no presente para que sejamos dignos de recebê-lo?

Pai celeste, faça-me olhar sempre para a frente, para o futuro, para o momento em que o tempo vire eternidade, o mortal se transforme em imortalidade, e a esperança brote em realidade.

O melhor do Caminho

Tem uma razão por que o cristianismo se chama de Caminho. Descubra.

EsperançaO melhor do Caminho aguarda no final. Esperança é futura. Herança significa que ainda receberemos. Até a salvação tem seu aspecto ainda não cumprida.

Oro também para que os olhos do coração de vocês sejam iluminados, a fim de que vocês conheçam a esperança para a qual ele os chamou, as riquezas da gloriosa herança dele nos santos.
Efésios 1.18 NVI

Aqueles que usam a fé em busca da saúde e prosperidade não entendem que as bênçãos do Senhor, na era cristã, são espirituais e mesmo todas elas hoje nada se comparam às que receberemos na eternidade.

O cristianismo não é chamado de Caminho por nada. Pois caminhamos para o destino final, o melhor de tudo.

Que os avise

Ele respondeu: “Então eu te suplico, pai: manda Lázaro ir à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos. Deixa que ele os avise, a fim de que não venham também para este lugar de tormento”.
Lucas 16.27-28

O rico pede AbraãoAssim falou o rico, no tormento, a Abraão, ao lado de quem estava Lázaro.

Se os mortos pudessem falar conosco, o que falariam?

Não haveria conversa de saúde fí­sica, nem de ganhos financeiros.

Não haveria papo de futebol nem de candidato polí­tico.

Falariam uma coisa só: Deus nos deu esta vida a fim de que nos preparemos para a eternidade.

Os mortos não podem falar conosco.

Abraão deu uma resposta simples e contundente ao rico: para se prepararem para a eternidade, que os vivos leiam a Bí­blia (verso 29).

A mesma resposta ainda vale para nós.