Ele verá sua prole

Isaías 53.10: Profecia sobre Jesus vê perdão e povo dele.

Contudo, foi da vontade do Senhor esmagá-lo e fazê-lo sofrer, e, embora o Senhor tenha feito da vida dele uma oferta pela culpa, ele verá sua prole e prolongará seus dias, e a vontade do Senhor prosperará em sua mão. Isaías 53.10

Isaías fala do servo sofredor em termos do povo de Israel, do remanescente e finalmente duma única pessoa. Ele vai afunilando a identificação do servo até chegar no capítulo 53. Neste capítulo ele revela detalhes de como o servo sofreria pelos pecados dos outros.

Esta vontade do Senhor é o seu “plano perfeito” (NBV). Fazer o servo sofrer estava de acordo com o plano divino. Em todo momento, Deus está em controle do desenrolar dos eventos. Continue lendo “Ele verá sua prole”

Enquanto é possível achá-lo

Isaías 55.6-7: A hora é agora.

Busquem o Senhor enquanto é possível achá-lo; clamem por ele enquanto está perto. Que o ímpio abandone o seu caminho, e o homem mau, os seus pensamentos. Volte-se ele para o Senhor, que terá misericórdia dele; volte-se para o nosso Deus, pois ele dá de bom grado o seu perdão.
—Isaías 55.6-7

Hoje é possível achar o Senhor Deus. O presente nos oferece oportunidade de nos aproximar dele. A oferta do perdão está sendo feita agora mesmo. Continue lendo “Enquanto é possível achá-lo”

A descida ao Egito em busca de ajuda

Isaías 3.1: Onde vamos para buscar ajuda?

Deus lamenta sobre seu povo Israel que buscava soluções políticas e militares para ter o sucesso.

Ai dos que descem ao Egito em busca de ajuda, que contam com cavalos. Eles confiam na multidão dos seus carros e na grande força dos seus cavaleiros, mas não olham para o Santo de Israel, nem buscam a ajuda que vem do Senhor!
Isaías 3.1.

Como ele deve se lamentar mais ainda hoje, vendo seu povo, a igreja, buscar soluções materiais e estratégicas que trazem um sucesso superficial, sem mudar o interior e sem facilitar o alcance dos milhões de perdidos. Continue lendo “A descida ao Egito em busca de ajuda”

O fraco e o forte

Isaías 49.5: A glória do homem está nisso.

O ser humano é fraco. Ele pode estocar armas. Pode criar novas maneiras de matar. Pode jogar pesado na política. Pode usar milhões de reais para manipular. Mas no final, ele é fraco.

Ele é fraco também no âmbito espiritual. Aqui, sua fraqueza é mais evidente ainda. Nada consegue fazer. Continue lendo “O fraco e o forte”

Onde seremos consolados

Certos lugares nos trazem conforto. O cristão também tem um lugar desse.

Consolação espiritual

Em certos lugares sentimo-nos melhor. Nosso próprio lar é um desses lugares. Por mais que viajemos, estamos sempre felizes para chegar de volta ao nosso próprio espaço.

Israel também queria voltar para casa, depois de pecar e ficar banido da sua terra pelo Senhor. Deus prometeu:

Eu mesmo vou consolar vocês, em Jerusalém,
como uma mãe consola seu filho.
Isaías 66.13 NBV

O conforto na sua plenitude seria em Jerusalém, pois foi o lar dos israelitas. Os exilados voltariam. Nada como chegar em casa.

A maior consolação do cristão será a de ir para casa, para o lado de Deus. Por melhor que sejam aqui as coisas, nunca chegarão perto do “conforto” do lar celestial.

Nossa alma lamenta, Senhor, o domínio que Satanás tem sobre este mundo. Leve-nos para casa!

Segure este pensamento: Ao esperarmos para ser confortados no céu, segura a nossa atenção a promessa de Deus.

Identificando o problema

E o problema é gravíssimo.

Comecemos com a identificação do problema. Somente assim pode-se tratar da solução.

Ah, nação pecadora,
povo carregado de iniqüidade!
Raça de malfeitores,
filhos dados à corrupção!
Abandonaram o Senhor,
desprezaram o Santo de Israel
e o rejeitaram.
Isaías 1.4 NVI

Isaías começa suas profecias com uma declaração do problema dentro da nação de Israel. Além de carregar o povo, oprimir a nação santa, o pior efeito do pecado é a alienação de Deus. O pecado frustra o propósito de Deus para o povo, ser uma luz às nações, pois reinam as trevas por estarem longe do Senhor.

O pecado destrói, sem exceção.

Você tem este problema?

[subscribe2]

A prostituta esquecida

Ela somos nós que nos orgulhamos nas riquezas.

Algumas pessoas vendem o corpo, outros, a alma. Por isso, foi apropriado Isaías usar a imagem de uma prostituta que perdia seus atrativos e aplicá-la à cidade de Tiro:

“Pegue a harpa, vá pela cidade, ó prostituta esquecida; toque a harpa, cante muitas canções, para se lembrarem de você”.
Isaías 23.16 NVI

Tiro era cidade comercial e marítima, poderosa pela riqueza que ganhava nos negócios. Sua queda vinha, porém, não por ser empreendedora, mas sim por ser orgulhosa.

O capítulo 23 de Isaías narra o castigo de Deus sobre a cidade. Uma das cidades mais antigas, Tiro serviria como exemplo do plano mundial de Deus para opor-se a toda manifestação do orgulho humano: “O Senhor dos Exércitos o planejou para abater todo orgulho e vaidade e humilhar todos os que têm fama na terra” (verso 9).

Não traz a condenação de Deus uma pessoa ou uma nação fazer negócios e se enriquecer, mas sim o mau uso e o orgulho que centra nela a capacidade.

Por isso, os lucros devem ser “separados para o Senhor” (verso 18).

De outro modo, seremos prostitutas velhas sem cliente.

Deus dos exércitos, o orgulho se levanta contra o Senhor e proclama a independência. Que eu me lembre que tudo vem do Senhor e a inteligência, a força física, a saúde e os lucros são dádivas suas.

Segure este pensamento: Não o que se ganha, mas como se gasta, que condena.

Meu Deus

Ele é mais presente do que qualquer presença física.

Meu Deus. Pagãos usam em vão as palavras. Cristãos encontram nestas duas palavras sua maior alegria. Nenhum pensamento maior que este tem sido considerado, que Deus é meu, e eu sou dele.

É grande o meu prazer no Senhor!
Regozija-se a minha alma em meu Deus!
Isaías 61.10 NVI

Todas as outras alegrias nada são além de satélites pálidos deste grande sol da verdade. Com Deus como companheiro, nenhum mal pode me roubar desta alegria.

Quaisquer que sejam as perdas desta vida que eu tenha de sofrer, os vales escuros que deva percorrer, os espinhos perfurantes nos meus pés, as pedras que me machuquem as costas, Deus é meu.

Dizer que Deus é meu não significa que ele fosse diminuído, como se eu pudesse, ao possuí-lo, controlá-lo ou direcioná-lo. Significa que fui exaltado. Enobrecido. Santificado. Celestializado.

Deus é meu, para sempre. Ninguém pode tirá-lo de mim.

Nosso Pai que está nos céus, da sua glória mais altiva, desceu até mim, fez-se presente—mais presente, mais engajador, mais afiador do que qualquer presença física. Mesmo que minha vida fosse desprovida de tudo, alegrar-me-ei no Senhor, pois a alegria no Senhor é maior do que todas as outras combinadas. Amém.

Segure este pensamento: Possuindo a Deus, possuo tudo o que importa.

[subscribe2]

Até as fontes

Isaías prevê a abundância da salvação.

O medo mata a alegria. A confiança a alimenta. No final do primeiro bloco principal de Isaías (capítulos 1-12), o profeta descreve a salvação de Deus (“Deus é a minha salvação”, verso 2) por meio da figura de fontes d’água.

Cheios de alegria, todos irão até as fontes e beberão da água que os salvará.
Isaías 12.3 NTLH

Neste capítulo de apenas seis versículos, o hino de gratidão derrama os sentimentos do povo pela sua salvação.

O cristão lembra que Aquele que teve sede na cruz trouxe ao mundo as águas da vida.

Pai, não terei medo, mas confiarei na sua promessa, e me alegro na salvação que temos em Cristo. Amém.