Jesus interpreta

Lucas 24.44-45: A Bíblia é sua própria interpretação da história.

E disse-lhes: “Foi isso que eu lhes falei enquanto ainda estava com vocês: Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.
Então lhes abriu o entendimento, para que pudessem compreender as Escrituras. Lucas 24.44-45

Desenvolveu-se toda uma ciência para interpretar as Escrituras. É bom que tenhamos ferramentas para entender melhor a Bíblia. Nunca devemos nos esquecer, porém, que a própria palavra de Deus já é uma interpretação divina e sagrada dos eventos dentro da história. Na sua sabedoria infinita, Deus não nos deu um livro de teologia, filosofia ou sociologia. Deus não escreveu um volume de princípios abstratos. Ele nos conta a sua história. Continue lendo “Jesus interpreta”

O que pregar? Lucas resume

Lucas 24.46-47: Não é preciso inventar, só reportar a interpretação de Jesus.

E lhes disse: “Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos no terceiro dia, e que em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Lucas 24.46-47

Jesus explicou, antes e depois da sua morte e ressurreição, o significado do seu sacrifício. Os quatro evangelhos registram a Grande Comissão. Lucas cita as palavras de Jesus sobre o conteúdo da mensagem da Boa Nova. Continue lendo “O que pregar? Lucas resume”

O prazer do Pai: dar o Reino

Jesus usa uma frase surpreendente.

Não tenham medo, pequeno rebanho, pois foi do agrado do Pai dar-lhes o Reino. Lucas 12.32

Um dos verbos mais comuns que tem Deus como sujeito é o verbo dar. E não há dádiva maior que o Pai pode dar do que o seu Reino. Falar em termos de Deus dar o Reino nos surpreende. É o privilegio de ser o povo de Deus. Representa aqui a autoridade e proteção do Pai ao seu povo que promove sua causa na terra. A frase nos lembra de Romanos 8.32: se Deus não poupou o próprio Filho, ele também nos dará todas as coisas necessárias. Continue lendo “O prazer do Pai: dar o Reino”

Julgando por si mesmos

É necessário julgar corretamente—especialmente em relação a Jesus.

“Por que vocês não julgam por si mesmos o que é justo?
Lucas 12.57

O ser humano foi criado para raciocinar e chegar a conclusões válidas, baseadas nas evidências que ele acumula. O Senhor Jesus repreendeu as pessoas do seu dia por não julgar corretamente. Elas deviam usar esta função divinamente concedida, ao invés de usar um raciocínio errôneo, especialmente em relação ao próprio Jesus, João 7.24. Continue lendo “Julgando por si mesmos”

Nas tuas mãos

Lucas 23.46: As últimas palavras de Jesus na cruz também são nossas.

Jesus bradou em alta voz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Tendo dito isso, expirou. Lucas 23.46

O último ato de Jesus na terra foi exatamente como todos os outros atos dele ao longo da sua vida. Ele morreu como viveu. Submeteu-se à vontade do Pai até a morte. Continue lendo “Nas tuas mãos”

A oração que ninguém faz

Lucas 10.2: Por que não obedecemos este mandamento de oração específica?

E lhes disse: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Portanto, peçam ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para a sua colheita”. Lucas 10.2

Ao falar essas palavras, Jesus tinha acabado de enviar 72 discípulos para pregar o reino de Deus e preparar as cidades de Israel para sua vinda. Lucas registra essa palavra do Senhor esperando que os cristãos deste lado da cruz ouçam e obedeçam. Se a afirmação de Cristo era verdade quando ele a fez, aplicaria ainda mais na época da sua igreja. Agora, os discípulos têm o mundo inteiro para evangelizar. Continue lendo “A oração que ninguém faz”

A prioridade de Jesus

Lucas 10.20: Jesus corrige as nossas alegrias.

Contudo, alegrem-se, não porque os espíritos se submetem a vocês, mas porque seus nomes estão escritos nos céus”. Lucas 10.20

Jesus enviou seus discípulos na comissão limitada, por tempo determinado, somente dentro da terra de Israel. Esta tarefa serviu para preparar o povo e para treinar os discípulos para a missão da igreja. Jesus lhes deu poder miraculoso para confirmar sua mensagem de arrependimento e da vinda do Reino de Deus. Continue lendo “A prioridade de Jesus”

Na casa de meu Pai

Lucas 2.49: Jesus tomou uma decisão importante cedo na vida.

Ele perguntou: “Por que vocês estavam me procurando? Não sabiam que eu devia estar na casa de meu Pai?” Lucas 2.49

Jesus chegou até à morte na cruz para a salvação da humanidade porque muito tempo antes ele tomou uma decisão de procurar a vontade do Pai e de ocupar-se com os seus assuntos. Aos 12 anos de idade, já se mostrou concentrado na casa do Senhor e dedicado às coisas de Deus. Aos pais preocupados com seu bem-estar, ele responde, de certa forma, assim: É óbvio onde eu estaria. Continue lendo “Na casa de meu Pai”

Crie a oportunidade da fé

Lucas 19.5: Jesus não era passivo e nem o é seu povo.

Quando Jesus chegou àquele lugar, olhou para cima e lhe disse: “Zaqueu, desça depressa. Quero ficar em sua casa hoje”.
Lucas 19.5

Dizem que a oportunidade bate na porta apenas uma vez. A frase quer dizer que temos que reconhecer a oportunidade quando aparece e aproveitar o momento, pois não teremos outra chance. Continue lendo “Crie a oportunidade da fé”

Um dos dias do Filho do homem

Lucas 17.22: O futuro segura toda a nossa esperança.

Depois disse aos seus discípulos: “Chegará o tempo em que vocês desejarão ver um dos dias do Filho do homem, mas não verão.
Lucas 17.22

Geralmente, sentimos saudade do passado e dos nossos entes queridos. Falamos assim: “Se eu pudesse ter apenas uma hora com minha mãe novamente, como seria bom!” Tais expressões reconhecem como amávamos a pessoa e como ela deixou lacuna no nosso coração. Continue lendo “Um dos dias do Filho do homem”