Sinal de contradição

Lucas 2.34: Jesus é evidência contra qual muitos se levantam.

Ele será também um sinal de Deus que muitos rejeitarão.
Lucas 2.34c VFL

Muitas versões traduzem de forma mais literal a frase do profeta Simeão: “sinal de contradição”. (NAA e BMD traduzem como “alvo de contradição”.) A VFL procura fazer sentido da frase, a qual faz parte das palavras do profeta a Maria quando ela e José apresentaram o bebê Jesus no templo. Continue lendo “Sinal de contradição”

Jesus chorou sobre a cidade de Jerusalém

Lucas 19.41: A maioria recusará a oferta da salvação.

Quando se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela …
Lucas 19.41

Por sua brevidade, o verso de João 11.35: “Jesus chorou”, tem chamado atenção, e mais ainda por ter sido interpretado como expressão do amor de Jesus pelos seu amigo Lázaro. Continue lendo “Jesus chorou sobre a cidade de Jerusalém”

Que mérito terão?

Lucas 6.33: Vá além dos do mundo.

E que mérito terão, se fizerem o bem àqueles que são bons para com vocês? Até os ‘pecadores’ agem assim. Lucas 6.33

O mundo trabalha pelo princípio de dar na mesma medida em que recebe. Devolve igual para igual. Olho por olho. Jesus ensina um princípio altivo: Ame seus inimigos, v. 35. Continue lendo “Que mérito terão?”

Ele resolveu ir

Lucas 9.51: O verso é ponto central do evangelho.

Quando estava chegando o tempo de Jesus ir para o céu, ele resolveu ir para Jerusalém. Lucas 9.51 VFL

O verso acima é considerado o ponto central do evangelho de Lucas. Jesus veio à terra para morrer na cruz. Toda a sua vida tinha essa direção. Tudo o que nosso Senhor fazia visava um único objetivo: fazer a vontade de Deus e voltar ao céu tendo concluído a sua obra. Continue lendo “Ele resolveu ir”

Jesus interpreta

Lucas 24.44-45: A Bíblia é sua própria interpretação da história.

E disse-lhes: “Foi isso que eu lhes falei enquanto ainda estava com vocês: Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.
Então lhes abriu o entendimento, para que pudessem compreender as Escrituras. Lucas 24.44-45

Desenvolveu-se toda uma ciência para interpretar as Escrituras. É bom que tenhamos ferramentas para entender melhor a Bíblia. Nunca devemos nos esquecer, porém, que a própria palavra de Deus já é uma interpretação divina e sagrada dos eventos dentro da história. Na sua sabedoria infinita, Deus não nos deu um livro de teologia, filosofia ou sociologia. Deus não escreveu um volume de princípios abstratos. Ele nos conta a sua história. Continue lendo “Jesus interpreta”

O que pregar? Lucas resume

Lucas 24.46-47: Não é preciso inventar, só reportar a interpretação de Jesus.

E lhes disse: “Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos no terceiro dia, e que em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Lucas 24.46-47

Jesus explicou, antes e depois da sua morte e ressurreição, o significado do seu sacrifício. Os quatro evangelhos registram a Grande Comissão. Lucas cita as palavras de Jesus sobre o conteúdo da mensagem da Boa Nova. Continue lendo “O que pregar? Lucas resume”

O prazer do Pai: dar o Reino

Jesus usa uma frase surpreendente.

Não tenham medo, pequeno rebanho, pois foi do agrado do Pai dar-lhes o Reino. Lucas 12.32

Um dos verbos mais comuns que tem Deus como sujeito é o verbo dar. E não há dádiva maior que o Pai pode dar do que o seu Reino. Falar em termos de Deus dar o Reino nos surpreende. É o privilegio de ser o povo de Deus. Representa aqui a autoridade e proteção do Pai ao seu povo que promove sua causa na terra. A frase nos lembra de Romanos 8.32: se Deus não poupou o próprio Filho, ele também nos dará todas as coisas necessárias. Continue lendo “O prazer do Pai: dar o Reino”

Julgando por si mesmos

É necessário julgar corretamente—especialmente em relação a Jesus.

“Por que vocês não julgam por si mesmos o que é justo?
Lucas 12.57

O ser humano foi criado para raciocinar e chegar a conclusões válidas, baseadas nas evidências que ele acumula. O Senhor Jesus repreendeu as pessoas do seu dia por não julgar corretamente. Elas deviam usar esta função divinamente concedida, ao invés de usar um raciocínio errôneo, especialmente em relação ao próprio Jesus, João 7.24. Continue lendo “Julgando por si mesmos”

Nas tuas mãos

Lucas 23.46: As últimas palavras de Jesus na cruz também são nossas.

Jesus bradou em alta voz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Tendo dito isso, expirou. Lucas 23.46

O último ato de Jesus na terra foi exatamente como todos os outros atos dele ao longo da sua vida. Ele morreu como viveu. Submeteu-se à vontade do Pai até a morte. Continue lendo “Nas tuas mãos”

A oração que ninguém faz

Lucas 10.2: Por que não obedecemos este mandamento de oração específica?

E lhes disse: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Portanto, peçam ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para a sua colheita”. Lucas 10.2

Ao falar essas palavras, Jesus tinha acabado de enviar 72 discípulos para pregar o reino de Deus e preparar as cidades de Israel para sua vinda. Lucas registra essa palavra do Senhor esperando que os cristãos deste lado da cruz ouçam e obedeçam. Se a afirmação de Cristo era verdade quando ele a fez, aplicaria ainda mais na época da sua igreja. Agora, os discípulos têm o mundo inteiro para evangelizar. Continue lendo “A oração que ninguém faz”