Não passará por sofrimentos

A vida correta poupa o justo de muitas dificuldades.

Quem vive por princípios corretos evita um monte de dificuldades, mas a pessoa egoísta que vive pelas paixões cria toda sorte de problemas para si mesma.

O justo não passará por sofrimentos, mas o perverso está coberto de dificuldades.
Provérbios 12.21 NBV

O provérbio acima não afirma que a pessoa justa nunca terá problemas. Afirma sim que a retidão poupa de muitos sofrimento, o que não acontece no caso dos maus.

A vida tranquila que as Escrituras recomendam ocorre quando se vive pelos princípios divinos e não em função de pessoas ou de paixões.

Obrigado, Senhor, por nos poupar de inúmeros problemas ao vivermos a vida guiada por sua sabedoria.

Segure este pensamento: Não sofre danos nem desgraça quem vive certo; mas o perverso de dificuldades está coberto.

Progredindo cada vez mais

Nada de ideal inatingível.

Em Cristo o ideal é realChegou, mas ainda tem chão para andar. Parece contraditório, mas os cristãos vivem esta felicidade espiritual.

Agora, irmãos, eu tenho outras coisas para falar para vocês. Assim como nós lhes ensinamos como deveriam viver e agradar a Deus (como de fato estão fazendo), nós pedimos e os encorajamos no Senhor Jesus a continuarem progredindo cada vez mais.
1 Tessalonicenses 4.1 VFL

Uma versão bíblia parafraseou a última frase assim: “vivam cada vez mais próximos daquele ideal” (NBV). Mas a Bíblia nunca fala em termos de um ideal ao qual nunca chegaremos. Afirma que já vivemos a plenitude em Cristo, a santidade de Deus, a comunhão do Espírito.

O ideal é a nossa realidade. E se torna cada vez mais real.

Pai, obrigado que já chegamos e que ainda navegamos no mar do seu Filho.

Segue esta ideia: Em Cristo o ideal é real.

 

Quer que outros pensem bem a seu respeito?

Que Deus pense bem de você.

opinião popularQual a sua reputação? O que os outros dizem a seu respeito? Mesmo que falem bem, não significa que entendem sua vida de obediência nem o Deus que serve. Veja o que disseram os oficiais do rei Ben-Hadade, da Síria, a respeito da Acabe, rei de Israel:

Seus oficiais lhe disseram: “Soubemos que os reis do povo de Israel são misericordiosos. Nós vamos até o rei de Israel vestidos com panos de saco e com cordas no pescoço. Talvez ele poupe a tua vida”.
1 Reis 20.31 NVI

Acabe poupou a vida de Ben-Hadade. Só que Deus tinha ordenado que o matasse. Foi Acabe mais justo, mais misericordioso, do que Deus? Certo que não. Neste caso, Deus deu a vitória de Israel sobre a Síria e mandou destruir o rei inimigo.

E, por causa da sua desobediência, mandou que Acabe morresse no lugar de Ben-Hadade (verso 42).

Os sírios nada entenderam sobre Deus (falaram que era deus das montanhas, mas não das planícies), nem sobre o seu povo. E ao rei Acabe, nada valia sua reputação de ser bondoso.

Melhor é ser conhecido como alguém que obedece a Deus em todas as coisas do que ter reputação de misericordioso e bondoso. Não acha?

Pai bondoso, que eu me importe com sua opinião a meu respeito, ao invés da minha reputação no meio das pessoas do mundo.

José e Maria eram pobres

Os pais de Jesus eram pobres, pelo que tudo indica. Um indício disso vem de Lucas 2.22-24, parte do nosso roteiro de leitura bíblica:

Completando-se o tempo da purificação deles, de acordo com a Lei de Moisés, José e Maria o levaram a Jerusalém para apresentá-lo ao Senhor (como está escrito na Lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor”) e para oferecer um sacrifício, de acordo com o que diz a Lei do Senhor: “duas rolinhas ou dois pombinhos”.

Pessoas que não tiveram condições econômicas de comprar um cordeiro, deviam levar os pássaros (Levítico 12.8). Então, o texto acima parece indicar que José e Maria teria tido dificuldade para apresentar a oferta mais cara. Continue lendo “José e Maria eram pobres”