Ação: Sacrificar-se

Romanos 12.1: Entregue tudo a Deus, sem reservas, sem esconder nada dele.

LER: “Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês” Rm 12.1.

PENSAR: A bondade de Deus nos inspira a oferecer a nossa vida a ele como sacrifício. Ele pode fazer conosco o que quiser. Passamos a pertencer totalmente a ele. Diferentes dos sacrifícios mortos de animais, somos sacrifícios vivos; fazemos tudo de modo consciente. Nossa oferta é racional. Ser agradável é ser sacrifício que Deus aceita. Continue lendo “Ação: Sacrificar-se”

Ação: Servir

Mateus 23.11: O seguidor de Jesus procura oportunidades para servir.

LER: “O maior entre vocês deverá ser servo” Mt 23.11.

PENSAR: No corpo de Cristo, os valores são invertidos. A religião falsa procura títulos, posições e honras. O seguidor de Jesus procura oportunidades para servir, necessidades para satisfazer. Desejo de ser importante gera brigas; desejo de servir, a paz. Continue lendo “Ação: Servir”

Abrindo mão dos direitos

O cristão anda por um caminho melhor.

promessas de Deus

Exija seus direitos, dizem-nos hoje. Pois se você não zelar pelo próprio bem, quem o fará? O cristão, porém, tem como agir de outra forma, como fez o patriarca Abrão com seu sobrinho Ló:

Aí está a terra inteira diante de você. Vamos separar-nos. Se você for para a esquerda, irei para a direita; se for para a direita, irei para a esquerda.
Gênesis 13.9 NVI

Como o patriarca que era, Abrão tinha a preferência da escolha. Mas abriu mão do seu direito, dando a Ló a opção de ir para o lado que achava melhor.

Abrão podia fazer isso porque tinha recebido a promessa de Deus, e nesta confiava. O Senhor tinha prometido torná-lo em grande e próspera nação.

Com esta mesma confiança, podemos também fazer o mesmo que Abrão, sem exigir nosso direito. Pois o Senhor nos prometeu a sua bênção. Podemos assim procurar fazer o bem ao próximo e cultivar a paz.

Mais ainda, podemos sofrer por Cristo, para cumprir a missão dele, certos de que a promessa de Deus, para cuidar das nossas necessidades, se cumprirá a nosso respeito.

Um corpo para oferecer

Cristo recebeu um corpo para oferecer. Nós também.

oferecer corpoQuando olhamos no espelho, vamos logo às partes que achamos imperfeitas, que nos impedem de ter corpo ideal. Nariz muito grande. Orelhas que nem bandeiras. Queixo pequeno. Quadris muito amplos. Sempre tem algo que é muito pequeno, muito grande, muito comprido, muito curto.

Por mais que nossas características físicas nos desagradem, nossos corpos são ofertas perfeitas para o Senhor.

Quando nós entramos no reino de Deus, ele nos deu os corpos como o primeiro instrumento do bem eterno. Da mesma forma como fez pelo seu Filho Jesus Cristo.

Por esse motivo, ao entrar no mundo, Cristo disse: “Tu não quiseste sacrifício e oferta. Em vez disso, tu me deste um corpo”.
Hebreus 10.5 EP

Por isso é que afirma a Bíblia de estudo da NLT: “Deus tinha preparado o salmista para ser obediente, pronto para fazer a vontade de Deus. A carta aos Hebreus agora aplica esta ideia a Cristo. Para o autor da carta, a preparação de um corpo humano, especificamente o corpo de Cristo, mostra que Deus o usaria como um sacrifício superior”.

E Deus “preparou”, ou determinou, que nossos corpos serão oferecidos neste mundo conforme a sua vontade, para nossa salvação eterna e para a salvação de muitos.

Com este conhecimento, passagens como Romanos 12.1 adquirem novo significado. E o espelho oferece um ângulo diferente.

Sirvo em meu espírito no evangelho

Comentário sobre Romanos 1.9.

serviço espiritualMinistério virou exercício de poder. Ministro, tanto na política como na religião, tornou-se agregador de privilégios. Mas estes não podem chamar Deus como testemunha do seu serviço, como faz esse servidor:

Pois Deus, a quem sirvo em meu espírito no Evangelho de Seu Filho, …
Romanos 1.9 BLIVRE

O termo na língua original para “servir” tem um sentido amplo, e significa louvor ou labor, adoração ou trabalho. O contexto em que aparece o termo determina o tipo de serviço religioso. Em Mateus 4.10, por exemplo, é geralmente traduzido por “adorar”. Aqui, o serviço parece ser o anúncio da Boa Nova de Cristo (como em 15:16).

Isso é importante notar porque fazemos uma distinção muito severa entre nosso serviço de reunir-nos com os irmãos e o de proclamar, no dia a dia, a salvação aos de fora. Obviamente, cada momento tem suas peculiaridades, mas os dois constituem serviço, dois aspectos da mesma realidade espiritual do cristão.

Paulo declara que, embora o serviço seja empenhado no mundo, entre as pessoas, com viagens para lá e para cá, suportando rigores e temores, ele é feito “em meu espírito”, indicando a interioridade do cristianismo. A fé não é um ritual, mas cada ação e atitude parte do íntimo, fonte das motivações que agradam a Deus, da disposição mental e da consciência profunda de gratidão pela graça divina que chama e impulsiona.

De fato, a frase chama Deus como testemunha à sinceridade e ao zelo que ele tem pelos leitores e ao desejo de vê-los e deixar-lhes algum benefício espiritual. O objeto da sua fé e serviço é Deus, É ele quem Paulo quer impressionar e agradar. Ele age sempre para que Deus, e não o homem, pense bem a seu respeito.

Seja o serviço louvor ou labor, a oração sempre o acompanha, como no restante do verso citado acima.

Que todos possamos dizer com Paulo que é Deus a quem servimos em nosso espírito na proclamação da Boa Nova de seu Filho.

Surgiu João Batista (Mt 3.1)

Naqueles dias surgiu João Batista, pregando no deserto da Judéia.
Mateus 3.1 NVI

Como na história de Jesus, a narrativa sobre João pula do seu nascimento para seu ministério. Nada se sabe sobre os anos da juventude, adolescência e primeiros anos da sua maioridade.

Mas essas décadas foram importantes do seu modo. Permitiram que João e Jesus se fortalecessem para seu serviço público. Longe dos holofotes, aprenderam a ouvir a voz divina e buscar unicamente a a vontade de Deus. Continue lendo “Surgiu João Batista (Mt 3.1)”

Os improváveis

Ele fez da rocha um açude, do rochedo uma fonte.
Salmo 114.8

No deserto, Deus fez água jorrar de uma pedra. Da vara de Moisés, um simples pedaço de pau apanhado no deserto para trabalhar com os rebanhos, emanou as pragas no Egito e a divisão das águas do Mar Vermelho. A queixada de um jumento virou instrumento de vingança divina na mão do juiz Sansão, com a qual matou 1.000 filisteus. Continue lendo “Os improváveis”

Servo da igreja

Da igreja me tornei servo, segundo o chamado de Deus, que me foi concedido para com vocês, a fim de tornar plenamente conhecida a palavra de Deus.
Colossenses 1.25 BMD

Paulo era servo da igreja porque era servo de Deus e do seu evangelho (1.23). A igreja está no centro dos planos e das atividades do Senhor. Quem serve a Deus também serve aos filhos de Deus.
Continue lendo “Servo da igreja”