Digno do seu sustento

Mateus 10.9-10: Apoiemos o trabalhador na palavra de Deus.

Não levem nem ouro, nem prata, nem cobre em seus cintos; não levem nenhum saco de viagem, nem túnica extra, nem sandálias, nem bordão; pois o trabalhador é digno do seu sustento.
Mateus 10.9-10

Quando Jesus mandou os Doze na comissão limitada, proibiu que levassem qualquer coisa extra na sua jornada de pregação. Ele queria que os israelitas que os receberiam os sustentassem pela sua hospitalidade, com seus bens. Ele queria que os Doze e o povo de Israel respeitassem o princípio de o trabalhador receber dos outros o seu sustento.

Este princípio foi observado pelo próprio Jesus, ao receber de várias seguidoras sustento para ele e os Doze, Lucas 8.1-3. Foi princípio que as igrejas seguiram também no primeiro século, 1 Coríntios 9.1-18; Gálatas 6.6.

As igrejas hoje devem também seguir o mesmo princípio. O trabalhador é digno do seu sustento. Significa que as congregações devem portanto sustentar o trabalhador no seu meio. Supervisores, mestres e evangelistas merecem um bom salário para fazer o seu trabalho. Os primeiros, especialmente, merecem “pagamento em dobro” 1 Timóteo 5.17 ARA2, e “especialmente os que se esforçam na pregação da palavra e no ensino”.

O interesse do Novo Testamento é a divulgação da palavra de Deus. Os cristãos devem estar sempre dispostos e alegres em poder contribuir financeiramente, tanto na oferta como pela hospitalidade, para o crescimento do evangelho. Pois esté é o plano de Jesus Cristo.

Mostra-me, Pai nosso, como apoiar os seus trabalhadores.

Deixe uma resposta