Dos números e fatos

São mais do que são.

frieza dos fatos

Números, para mim, são apenas dígitos frios e mortos, que uso quando necessito deles e largo na primeira oportunidade. Não tenho nenhum desejo de ler o livro: “O mistério dos números”, uma história da matemática. Para mim, eles representam uma utilidade diária e só.

Tem gente que olha os fatos de forma semelhante. São o que são, e pronto.

Correndo para verificar uma reportagem do sepulcro vazio do Mestre, Pedro e João constatam a veracidade do relatório. E, depois, …

Os discípulos voltaram para casa.
João 20.10 NVI

Olharam João e Pedro no sepulcro vazio. Creram na ressurreição do Senhor. Constataram que o corpo não estava mais onde tinha sido colocado. Nada mais agora para fazer, a não ser voltar para casa. Nas suas mentes, registraram o fato, viram a rocha fria, observaram o vazio, e talvez voltem para casa para ponderar o seu significado.

Maria Madalena, sem entender e sem saber o que fazer, ficou. Na sua dúvida confusa, acaba se encontrando com o Senhor. Torna-se mensageira aos outros com uma palavra de Cristo.

Será que os dois discípulos, homens práticos que eram, perderam algo do mistério do lugar, da maravilha do momento? Será que foram embora um pouco cedo?

De qualquer maneira, Jesus aparece também a eles, mais tarde. E descobrem que o fato tem significado, o túmulo vazio estava cheio de promessa. O número não é uma frieza sem mistério. O Senhor vem ao encontro da necessidade de cada um, onde estiver, na sua condição.

Deixe uma resposta