Quando os justos prosperam

Provérbios 11.10-11: A presença dos justos faz diferença.

Numa seção maior sobre os relacionamentos entre vizinhos e concidadãos, em Provérbios 11.8-16, vem estes dois versos sobre a cidade:

Quando os justos prosperam, a cidade exulta;
quando os ímpios perecem, há cantos de alegria.
Pela bênção dos justos 
a cidade é exaltada,
mas pela boca dos ímpios é destruída.
Provérbios 11.10-11 NVI

Na passagem maior, há uma ênfase sobre as palavras. A língua é subvalorizada hoje, mas a Bíblia não a subestima, sabendo do grande poder das palavras para edificar ou derrubar. Falar a coisa correta é essencial a fazer a coisa correta.

O que é bom para os justos é bom para a cidade. A retidão abençoa o funcionamento municipal. Não se pode separar a vida moral particular dos dirigentes da cidade da sua administração. A corrupção começa no coração daquele que exerce funções na cidade.

Quando a justiça prevalece, os habitantes prosperam. O verso acima indica que isso só acontece “quando os ímpios perecem”. E os ímpios só perecem quando a lei é respeitada, os habitantes exigem a punição a infratores e os governantes tomam atitude de castigar os ímpios.

Os cristãos, diferente dos israelitas, não vivem em sociedade onde Deus é a autoridade máxima. Mas agem com retidão em todos os seus assuntos, tratam todos com respeito e justiça e procuram zelar pelo bem-estar da cidade e da nação nas quais residem. Mais ainda, procuram partilhar a palavra de Deus com todos, para que tenham tanto a vida eterna como também, aqui na terra, “uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade” 1Tm 2.2.

2 pensamentos em “Quando os justos prosperam”

Deixe uma resposta