O mundo não sabe como honrar a mulher

Pensamentos em torno do Dia internacional da mulher

Dia internacional da mulherO mundo não sabe como honrar a mulher. Ou a oprime, ou a usa como objeto no mercado do sexo, ou a separa violentamente do casamento e do lar para exaltá-la acima do homem.

Um dos símbolos do movimento feminista alemão nos anos 70 foi o punho fechado e levantado dentro do símbolo feminino. Retrata bem a rebelião que faz parte do movimento. O feminismo se joga contra a verdade bíblica bem como a violência e desigualdade contra a mulher.

Nesta corrida para a superioridade, a feminista — pois o Dia Internacional da Mulher é, integralmente, um projeto feminista — nunca está contente, nunca satisfeita, nunca em paz consigo mesma. Pois ela se divorcia do melhor e mais alto destino ao lado do homem.

Por mais antiquado o conceito possa parecer aos ouvidos modernos, a mulher foi feita para o homem, e o homem foi criado para a unidade com a mulher. Não há inferioridade, nada de desvalorização do seu valor interior, nada de opressão. Ao contrário, a visão bíblica exalta a mulher ao seu lugar próprio, e seu marido e seus flhos levantam para chamá-la abençoada, cantando os seus louvores.

No mundo, e entre as religiões do mundo (inclusive, as falsas manifestações do cristianismo), há apenas luta e opressão para as mulheres. Na verdadeira graça de Deus, ela encontra a paz, a alegria, a segurança, o contentamento e a satisfação. Ela encontra o amor e a honra, os quais sempre desejava.

Também você, marido, na vida em comum com a esposa, reconheça que a mulher é o sexo mais fraco e que por isso deve ser tratada com respeito. Porque a esposa também vai receber, junto com você, o dom da vida, que é dado por Deus. Aja assim para que nada atrapalhe as orações de vocês.
1 Pedro 3.7 NTLH

Leia também:

2 pensamentos em “O mundo não sabe como honrar a mulher”

  1. Obrigado irmao Randal por esse artigo e compartilhei aos meus colegas(na escola onde trabalho)atraves de seu artigo como Deus honra a mulher dentro das escrituras.

Deixe uma resposta