Poucos são escolhidos

Jesus reitera o que falou no sermão do monte.

“Pois muitos são chamados, mas poucos são escolhidos”.
Mateus 22.14

Jesus falou estas palavras no final da parábola do banquete de casamento. Ilustrou o que tinha falado no sermão do monte: poucos serão salvos, Mateus 7.13-14. Deus quer que todos sejam salvos, mas poucos aceitam o chamado.

Poucos serão escolhidos porque somente eles se prepararão para o fim. O convidado que não usou veste nupcial, isto é, seus melhores trajes, o fez em sinal de desprezo. Deixou de honrar os noivos. Deixou de se enquadrar dentro das expectativas do momento, das exigências do rei.

Muita gente nem aceita o convite, e nem todos os que aceitam chegam perante o rei de modo adequado. Na parábola, a expulsão do banquete significa a expulsão da presença eterna de Deus. Compare Mateus 7.23.

Convém perguntar o que é envolvido para ser contado entre os poucos. O convite é pela graça. Ninguém merece entrar na presença abençoada de Deus. Contudo, é preciso aceitar o convite e fazer o necessário para desfrutar das promessa da vida eterna.

Deus revelou de forma simples o que é necessário para ser salvo. Os passos para a salvação estão na boca de Jesus, Mateus 28.18-20; Marcos 16.16, Lucas 13.3, 5; no livro de Atos, Atos 2.38; 11.18; 22.16; nas cartas, Romanos 6.1-4; 10.9-10, 17; 1 Pedro 3.21. Os religiosos mudam os termos e até modificam a Bíblia (ver NVT em Atos 2.38) para conformar às suas tradições, mas o Rei terá a última palavra.

Pai, ajude-nos a ser encontrados entre os escolhidos.

Um pensamento em “Poucos são escolhidos”

Deixe uma resposta