Proteção ao casamento

Deut 22.20-21: O AT nos mostra a inviolabilidade do matrimônio.

Na sociedade israelita, Deus exigiu que o povo cercasse o casamento de todo tipo de proteção, pois era a base da nação e do relacionamento com Deus.

Se um homem acusava a noiva de não ser virgem, os pais produziam a prova e o homem era obrigado a continuar com ela. “E ele não poderá divorciar-se dela enquanto viver” Deuteronômio 22.19b NVI.

Se ele tinha razão na acusação, havia também punição para proteger o matrimônio como instituição socio-religiosa.

Se, contudo, a acusação for verdadeira e não se encontrar prova de virgindade da moça, ela será levada à porta da casa do seu pai e ali os homens da sua cidade a apedrejarão até a morte. Ela cometeu um ato vergonhoso em Israel, prostituindo-se enquanto estava na casa de seu pai. Eliminem o mal do meio de vocês.
Deuteronômio 22.20-21 NVI

No corpo de Cristo, sob a aliança nova, Deus não usa mais tais medidas. Ele ainda exige do seu povo, porém, a proteção do matrimônio, pela proibição do divórcio, pelo exemplo do relacionamento entre Cristo e a igreja, pela pureza sexual.

Ao mesmo tempo, as medidas do Antigo Testamento nos mostram o princípio claro da inviolabilidade do matrimônio, pois neste o Senhor nos oferece o ambiente perfeito e divino para a criação dos filhos no Senhor, a intimidade conjugal que reflete e cultiva o conhecimento de Deus e o espaço cristão para melhor desenvolver, em proximidade com outros, o fruto do Espírito.

2 pensamentos em “Proteção ao casamento”

  1. Muito bom meu irmão. O conhecimento genuíno sobre o casamento é fundamental para um puro relacionamento cristão. E o que Deus uniu o homem não separe.

Deixe uma resposta