Que todos os anjos o adorem

O Filho não fica devendo nada a ninguém.

jesus superiorValor se estabelece fazendo comparações. Constantemente, avaliamos moedas, propriedades, metais, ações na bolsa por meio de equivalências e diferenças entre eles. No mundo, estes variam a cada dia, alguns ganhando valor maior, e outros perdendo.

O autor de Hebreus faz comparação semelhante para estabelecer para os leitores o valor permanente de Jesus.

E de novo, quando introduz seu Filho primogênito no mundo, ele diz: «Que todos os anjos o adorem.»
Hebreus 1.6 Pastoral

O propósito do autor de Hebreus é o de mostrar a superioridade de Cristo a judeus convertidos que pensavam em voltar à Lei de Moisés. A perseguição os fez questionar sua decisão de abraçar a fé em Cristo.

Ele abre a carta com o argumento mais forte. Os anjos são superiores aos seres humanos. Se Jesus é superior aos anjos, então está resolvida toda a questão. Ele mostrará em seguida a superioridade de Cristo sobre Moisés (capítulo 3), mas de início estabelece a incomparabilidade do Senhor Jesus.

Entre outras passagens do Antigo Testamento, a ordem aos anjos adorarem ao Filho os coloca, todos, em posição inferior. O Filho é supremo.

Por que então abandonar aquele que é superior, melhor, mais abençoado, Líder perfeito, mais qualificado para nos conduzir a Deus?

A pergunta ainda permanece para nós.

Um pensamento em “Que todos os anjos o adorem”

  1. O tema proposto me desperta para a narrativa do amado Lucas, a saber:

    “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4.12)

Deixe uma resposta