A realidade distante

O homem natural anda nas trevas, sem entender nada.

A realidade está bem distante e é muito profunda; quem pode descobri-la? Ecclesiastes 7.24

A natureza da realidade e sua razão de existir é um mistério para o homem, sem haver uma revelação da parte de Deus. O rei Salomão, autor do livro, reconhece a obscuridade do ser. O ser humano não pode responder, por si só, a pergunta que se forma, inevitavelmente, nos seus lábios: “Por que existo? Por que estou aqui?”

O homem pode saber que Deus existe. Olhando para a criação, ele pode perceber “os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina” Romanos 1.20. Mas até este conhecimento limitado foi rejeitado. O homem adora coisas da criação, ao invés do Criador. Por isso, a Bíblia afirma que a humanidade anda nas trevas.

Em Cristo, Deus responde a pergunta de Eclesiastes: “Quem pode descobrir a realidade?” Falando das coisas antigas da lei, Paulo escreveu: “Estas coisas são sombras do que haveria de vir; a realidade, porém, encontra-se em Cristo”, Colossenses 2.17. Podemos ampliar o contexto original desta declaração, sem fazer-lhe violência, para enxergar que Cristo define, e cria, a nova realidade do ser humano. Nele entendemos o propósito de Deus e encontramos resposta a todas as nossas perguntas e dúvidas.

Essa realidade não é distante, mas sim próxima a todos. Em Cristo Deus explica tudo e todos podemos saber e participar dela.

Senhor Deus, confessamos a nossa mente obscurecida. Abra o entendimento em Cristo para toda a realidade que nos espera.

2 pensamentos em “A realidade distante”

Deixe uma resposta