Salvação presente

1 Coríntios 1.18: Estamos sendo salvos porque Jesus ainda trabalha.

“Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus”
1 Coríntios 1.18.

Salvação tem três tempos: passado, presente e futuro. Pensamos muito no passado e bastante no futuro. Mas a salvação de Deus é contínua: “Estamos sendo salvos”. Ela é operante, constantemente funcionando para nos tirar a cada momento das garras do pecado, das atrações da tentação e do controle do Maligno. Satanás sempre procura nos derrubar, 1Pedro 5.8-9. Tem de ser resistido em toda hora. Continue lendo “Salvação presente”

Dedicação ao serviço dos santos

Vamos valorizar essa grande prioridade da igreja de Deus.

Vocês sabem que os da casa de Estéfanas foram o primeiro fruto da Acaia e que eles têm se dedicado ao serviço dos santos, 1 Coríntios 16.15.

Embora fossem os primeiros convertidos na província da Acaia, Estéfanas e sua família não consideraram este fato como posição de honra, mas sim oportunidade de servir. Continue lendo “Dedicação ao serviço dos santos”

Dois homens, dois corpos

O corpo terreno não entrará no céu.

Os que são da terra são semelhantes ao homem terreno; os que são dos céus, ao homem celestial. Assim como tivemos a imagem do homem terreno, teremos também a imagem do homem celestial.
1 Coríntios 15.48-49

O corpo humano físico e o corpo humano espiritual são diferentes, da mesma forma que Adão e Cristo eram diferentes nas suas origens. Deus transformará o nosso corpo no dia da ressurreição. Continue lendo “Dois homens, dois corpos”

Faça o homem celestial aparecer pelos atos

1 Coríntios 15.49: O homem celestial não é visível, no presente. Devemos torná-lo visível pelas nossas atitudes.

Aos fiéis Deus dará corpos espirituais, para podermos habitar no céu. Como houve transformação espiritual no momento da imersão na água, haverá também uma transformação do corpo humano, por parte do Senhor. Continue lendo “Faça o homem celestial aparecer pelos atos”

O bem dos outros

1 Coríntios 10.24, 33: Liberdade sim, para fazer o bem aos outros.

A liberdade em Cristo é uma liberdade de buscar o bem alheio. Antes de corrigir desvios na adoração dos coríntios, Paulo corrige atitudes individuais sobre a liberdade espiritual. Diziam: “Tudo é permitido”. Paulo vira a frase de ponta cabeça. Ele cerca toda a  discussão com uma frase, no início e no fim: buscar o bem dos outros. Continue lendo “O bem dos outros”

A minha maneira de viver em Cristo Jesus

1 Coríntios 4.16.17: Quatro princípios sobre a conduta em Cristo.

O caminho de Cristo não é apenas ensino mas conduta também. Alguns cunharam os termos ortodoxia e ortopraxia, isto é, ensino correto e prática correta. Os dois são necessárias para agradar a Deus. Por isso, Paulo escreve 1 Coríntios, para acertar naquela congregação problemas nas duas áreas. Quanto à segunda, ele disse: Continue lendo “A minha maneira de viver em Cristo Jesus”

Pelo evangelho

O que significa fazer tudo pelo evangelho?

Outros têm causas para as quais contribuem e pelas quais lutam. Os cristãos têm o evangelho. Não é sua causa, mas sua vida. As causas podem ser adotadas e abandonadas, dependendo da necessidade e das circunstâncias. O evangelho permanece como a única esperança para o homem.

Faço tudo pelo Evangelho, para ter parte nele.
1 Coríntios 9.23 Vozes

Fazer tudo pelo Evangelho significa fazer “tudo para espalhar a Boa Nova” (NLT). O evangelho é uma mensagem, a palavra da verdade (Colossenses 1.5). Se não estamos falando o evangelho, isto é, ensinando outros — diga-se: evangelizando, não estamos fazendo nada pelo Evangelho.

Pai, acorde-me ao evangelho, para levar outros ao Senhor pela mensagem de Cristo.

Segure este pensamento: Faça tudo para ensinar aos outros a Boa Nova de Cristo.

Gente pequena

Deus pode muito com os pequeninos.

Chamamos as palavras de retóricas, pois ninguém de sã mente diria uma coisa dessa. Alguém com o discernimento e o realismo do grande apóstolo Paulo certamente não o diria com seriedade, mesmo chateado consigo mesmo pelo seu passado pré-cristão. Mas não descontemos tão facilmente suas palavras.

De fato, eu sou o menos importante dos apóstolos e até nem mereço ser chamado de apóstolo, pois persegui a Igreja de Deus. Mas pela graça de Deus sou o que sou, e a graça que ele me deu não ficou sem resultados. Pelo contrário, eu tenho trabalhado muito mais do que todos os outros apóstolos. No entanto não sou eu quem tem feito isso, e sim a graça de Deus que está comigo.
1 Corinthians 15.9-10 NTLH

O menos importante dos apóstolos. Ele tinha sido indigno, mas agora ele escreve às igrejas sobre a necessidade de viver de modo digno do evangelho. Então, como pode ele dizer tal coisa?

Devemos levar a sério suas palavras. Somente assim poderia ele dizer, e podemos nós apreciar, sua afirmação que tinha trabalhando, pela graça de Deus, mais do que todos os outros apóstolos.

Quando sabemos o quanto somos indignos, podemos apreciar o quanto Deus pode usar a nossa vida.

Deus cheio de graça, mostre-me a minha pequenez até o dia de hoje, para que eu possa experimentar a sua grandeza trabalhando em mim.

Segue este pensamento: A graça pode muito naqueles que sabem quão pequenos são.[subscribe2]

No Espírito de nosso Deus

Não visível mas real.

Queremos ver as coisas, seja roupa limpa, que deve aparecer limpa, seja documento. Ninguém pode ser considerado morto, sem atestado de óbito. Queremos provas e evidências que mostram ao olho as suas verdades. Mas a conversão e o perdão não têm nada visível ao olho humano.

Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus.
1 Coríntios 6:11 Coríntios 6.11 NVI

O que o Espírito faz, em termos de lavar a alma dos pecados pelo sangue de Cristo, é sinalizado na imersão na água e ocorre no momento da imersão, mas a pessoa que se levanta da água não apresenta nenhuma evidência física do perdão. Este ocorre na mente de Deus, no “livro” dele. Temos sim o testemunho das Escrituras, e é esta que nos dá conforto e segurança de que o perdão realmente se efetua.

As realidades espirituais não são visíveis, pois tudo ocorre “no [âmbito do] Espírito de nosso Deus”. É de se esperar isso, e nem por isso devemos sentir que o perdão é menos firme ou certo. Pelo contrário, o perdão é mais real do que muitas coisas que o olho vê, pois as aparências podem enganar. O Espírito de Deus, nunca.