O Espírito Santo inicia a obra missionária

Atos 13.2: um pequeno comentário sobre a comunicação do Espírito Santo à congregação em Antioquia.

A obra da evangelização do mundo pertence ao Espírito Santo. Ele é quem move as peças para que a missão seja cumprida. Já no livro de Atos ele fez com que evangelistas e ouvintes se encontrassem (Atos 8-11).

Enquanto adoravam o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: “Separem-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado”.
Atos 13.2 NVI

Enquanto adoravam o Senhor. Há momentos específicos durante os quais a congregação adora a Deus. Esta adoração ocorre nas suas reuniões. Embora haja uma certa verdade na afirmação de que “toda a vida é adoração a Deus”, este verso comprova que existem atos de adoração em comunidade que não devem ser dispensados.

E jejuavam. Temos exemplo do corpo de Cristo fazendo jejum, como o Senhor disse que seus discípulos fariam. Devemos seguir o exemplo, sendo este aprovado por Jesus. O jejum aqui foi ato em comunidade. O propósito não é mencionado, mas é provável que foi relacionado ao que segue, isto é, a evangelização do mundo. A Bíblia não estabelece dias específicos para o jejum. Cada congregação deve determinar os momentos conforme a necessidade.

Disse o Espírito Santo. O Espírito Santo, e não a congregação, escolheu quem ele quis para o trabalho. Sua comunicação à congregação foi para identificar as pessoas que tinha escolhido. Aqui temos uma escolha sobrenatural, como também foi o chamado de Saulo. Não é por acaso que sua comunicação veio durante uma reunião da adoração dos discípulos. Veio provavelmente por meio de um dos profetas.

Separem-me Barnabé e Saulo. A congregação devia reconhecer, no ato desta separação, a decisão do Espírito Santo. A separação implica em dedicação para a obra. A escolha é dos “seus melhores homens para o trabalho pioneiro” (Alexander). Hoje, quando a congregação separa e envia pessoas para tais obras, ela deve seguir este exemplo de escolher os melhores, isto é, que demonstram a espiritualidade e a dedicação desprendida. Fica claro a seguir que a obra para o qual o Espírito chamou e da qual a congregação participa é a da proclamação do evangelho a toda criatura, o que chamamos de a Grande Commissão.

A que os tenho chamado. O chamado é do Espírito Santo. Embora o chamado venha de forma diferente hoje, após a cessão da era miraculosa, ele continua chamando pessoas para se envolver nesta obra.

Dos cinco profetas e mestres na congregação da Antioquia, o Espírito escolhe dois. Nem todos são chamados para sair pela obra missionária, mas todos participam da obra, como o v3 deixa evidente.

A decisão para a missão não surge da congregação, e nem ela tem a opção de se envolver na obra. A decisão é de Deus e a ordem veio de Cristo nas suas últimas palavras na terra. Assim, cada congregação deve seguir o exemplo de Antioquia. Ela foi uma congregação modelo na sua obediência (v3).

OBRAS CITADAS: David e Pat Alexander, O mundo da Bíblia (Paulinas).

Fofoca do amor

Os cristãos elogiam o amor nos irmãos.

Os pagãos falam mal dos outros e dificilmente conseguem elogiar. Falam críticas, fofocas e mentiras. Os cristãos, como filhos que têm o caráter do Pai, falam bem dos outros sempre que possível e fazem a fofoca do amor.

[Epafras] também nos falou do amor que vocês têm no Espírito.
Colossenses 1.8 NVI

Várias vezes o Novo Testamento liga o amor ao Espírito Santo. O amor é fruto do Espírito. O Espírito é o canal pelo qual Deus nos dá seu amor, primeiro, pela revelação da história de Cristo e, segundo, pela habitação do Espírito em nós como o agente ativador do amor.

O amor dos colossenses era vivo e real, notável de tal forma que Epafras reportou a Paulo a respeito dele.

Quem procura o amor no povo de Deus, o acha e o elogia.

Você está falando comigo?

Hermenêutica: a arte de estudar a Bíblia.

regra: para quem está falando?Você está falando comigo? Tem hora que a esposa fala aos cachorros em outro cômodo da casa e eu acho que está falando comigo. (Nada de piada, hein?) E já por duas ou três vezes, mandei email para a esposa com algumas informações (ou uma declaração de amor) sem reparar que meu serviço, que auto-completa o nome da pessoa, o enviou para uma amiga nossa do mesmo nome. Ainda bem que ela é amiga de muito tempo e não se assusta com meus erros.

Da mesma forma, temos que entender com quem Jesus está falando em João 13-16. Veja só:

Quando chegar o Auxiliador, o Espírito da verdade, que vem do Pai, ele falará a respeito de mim. E sou eu quem enviará esse Auxiliador a vocês da parte do Pai. E vocês também falarão a meu respeito porque estão comigo desde o começo.
João 15.26-27 NTLH

Neste bloco de ensino, Jesus está falando principalmente aos Doze. As promessas que ele faz sobre a inspiração do Espírito Santo são feitas para aqueles que estavam com ele “desde o começo” do seu ministério. Esta promessa não é para todos.

Um regra básica para interpretar a Bíblia, e uma das mais negligenciadas, é notar quem fala ou escreve e para quem fala ou escreve. Qualquer princípio ou verdade tirada desse trecho será uma aplicação secundária e algumas coisas, como a inspiração do Espírito Santo, não se aplicam a nós hoje.

Cuidado na hora de ler a Bíblia! Talvez Deus não esteja falando com você.

Esperem, não perguntem

A abertura do livro de Atos mostra a soberania de Deus, contra a curiosidade e pressão dos homens, e declara a natureza do reino de Deus.

tempos e épocasOs Onze pensam que esperavam bastante tempo, uns três anos, mais ou menos, para a chegada do reino. No calendário humano, é muito tempo. Agora, Jesus lhes diz que têm de esperar mais ainda em Jerusalém.

Com a morte de Jesus, morreram também suas esperanças. Sua ressurreição acendaram novamente suas aspirações políticas. Eis a pergunta que lhe fazem.

Certa vez, os apóstolos estavam reunidos com Jesus.
Então lhe perguntaram: –É agora que o senhor vai devolver o Reino para o povo de Israel?
Jesus respondeu: –Não cabe a vocês saber a ocasião ou o dia que o Pai marcou com a sua própria autoridade. Porém, quando o Espírito Santo descer sobre vocês, vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra.
Atos 1.6-8 NTLH

Primeiro, o Senhor lhes diz, basicamente, para não fazer perguntas sobre tempos, sobre agendas, sobre datas, pois tais questionamentos apertam a soberania de Deus. E esta é uma questão maior do que a natureza do reino, por mais importante que seja esta. Os discípulos devem seguir o Senhor, e não uma agenda.

A doação do Espírito indica não somente um evento e um poder, mas a própria natureza do reino, e assim, ao falar nele, Jesus qualifica o reino como espiritual e não material ou política. O poder do Espírito conduzirá, não à conquista e à independência, mas ao testemunho e à conversão.

Aplicação para nós? Deus faz tudo em seu tempo e devemos confiar que cumprirá todas as suas promessas. Cabe a nós a fidelidade, sem querer saber a hora. Mais ainda, a habitação do Espírito em nós, após a imersão na água (Atos 2.38), deve nos lembrar que a natureza do reino é espiritual, lembrança esta que deve cortar tendências de procurar bêncãos materiais ou físicas. Ele nos habita para transformar nossas vidas à imagem de Cristo e capacitar-nos para anunciar o evangelho.

Leitura de hoje: Atos, capítulo 1 (ler agora em PDF)

Mudos

Vocês sabem que, quando eram pagãos, de uma forma ou de outra eram fortemente atraídos e levados para os ídolos mudos.
1 Coríntios 12.2

O que é espiritualidade? Essa foi uma questão crítica em Corinto. Paulo estabelece o critério: é quem ouve a revelação de Deus por meio do Espírito quando fala a respeito de Jesus (v. 3). Continue lendo “Mudos”