Para quem tem sede

João 7.37-38: Só um tipo de sede Jesus satisfaz.

No último e mais importante dia da festa, Jesus levantou-se e disse em alta voz: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”. João 7.37-38

Quem tem sede de Deus, Jesus satisfaz. A sede significa desejo intenso de estar na presença de Deus. Continue lendo “Para quem tem sede”

O que Deus procura

João 4.23-24: O Senhor é bem específico quanto ao que procura.

No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. —João 4.23-24

O Pai procura. Sua procura possui a qualidade de uma demanda (gr., zeteo, BGAD). Ele nos dá uma adoração necessária, a “obrigatoriedade de lei” (gr., dei, BGAD). Não é opcional nossa maneira de adorá-lo. Temos de fazer conforme seu mandamento. São estes adoradores que ele considera aceitáveis. Muitos o adoram seguindo seus próprios conceitos ou criando ritos estranhos à sua natureza e vontade. Tais adorações não são aceitas por ele. Continue lendo “O que Deus procura”

Sirvo em meu espírito no evangelho

Comentário sobre Romanos 1.9.

serviço espiritualMinistério virou exercício de poder. Ministro, tanto na política como na religião, tornou-se agregador de privilégios. Mas estes não podem chamar Deus como testemunha do seu serviço, como faz esse servidor:

Pois Deus, a quem sirvo em meu espírito no Evangelho de Seu Filho, …
Romanos 1.9 BLIVRE

O termo na língua original para “servir” tem um sentido amplo, e significa louvor ou labor, adoração ou trabalho. O contexto em que aparece o termo determina o tipo de serviço religioso. Em Mateus 4.10, por exemplo, é geralmente traduzido por “adorar”. Aqui, o serviço parece ser o anúncio da Boa Nova de Cristo (como em 15:16).

Isso é importante notar porque fazemos uma distinção muito severa entre nosso serviço de reunir-nos com os irmãos e o de proclamar, no dia a dia, a salvação aos de fora. Obviamente, cada momento tem suas peculiaridades, mas os dois constituem serviço, dois aspectos da mesma realidade espiritual do cristão.

Paulo declara que, embora o serviço seja empenhado no mundo, entre as pessoas, com viagens para lá e para cá, suportando rigores e temores, ele é feito “em meu espírito”, indicando a interioridade do cristianismo. A fé não é um ritual, mas cada ação e atitude parte do íntimo, fonte das motivações que agradam a Deus, da disposição mental e da consciência profunda de gratidão pela graça divina que chama e impulsiona.

De fato, a frase chama Deus como testemunha à sinceridade e ao zelo que ele tem pelos leitores e ao desejo de vê-los e deixar-lhes algum benefício espiritual. O objeto da sua fé e serviço é Deus, É ele quem Paulo quer impressionar e agradar. Ele age sempre para que Deus, e não o homem, pense bem a seu respeito.

Seja o serviço louvor ou labor, a oração sempre o acompanha, como no restante do verso citado acima.

Que todos possamos dizer com Paulo que é Deus a quem servimos em nosso espírito na proclamação da Boa Nova de seu Filho.