Sem mim

João 15.5: A decisão é individual.

Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.
João 15.5

Jesus usa a figura da videira para descrever o relacionamento que seus seguidores deveriam ter com ele. É relacionamento de total dependência. Ele dá vida e produz em nós fruto. Continue lendo “Sem mim”

Se morrer, dará muito fruto

João 12.24-25: Você já experimentou essa morte?

Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto. Aquele que ama a sua vida, a perderá; ao passo que aquele que odeia a sua vida neste mundo, a conservará para a vida eterna.
João 12.24-25

Jesus falava às vezes usando o paradoxo. O paradoxo é uma contradição ou oposição aparente, algo que, à primeira vista, parece que não podia valer ou ser verdadeiro, mas que contém um princípio ou verdade importante. Continue lendo “Se morrer, dará muito fruto”

Não entende essas coisas?

João 3.10: Haja compreensão!

Disse Jesus: “Você é mestre em Israel e não entende essas coisas?
João 3.10

Nicodemus, como um membro do Sinédrio que creu em Jesus, deve ter entendido muito mais sobre o plano de Deus do que seus colegas. Afinal, ele foi até Jesus e elogiou-o de forma sincera, reconhecendo o Senhor como alguém vindo da parte de Deus. Continue lendo “Não entende essas coisas?”

A graça e a verdade

João 1.17: Qual o verdadeiro contraste neste texto?

Pois a Lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por intermédio de Jesus Cristo.
João 1.17

Na aliança de Moisés, havia graça e verdade, Êxodo 34.6-7; Salmo 19.9; 119.42, 160. Estas não eram ausentes. Na aliança de Cristo, há lei também, Romanos 8.2; 1 Coríntios 9.21; Tiago 1.25; 2.12. O contraste que João faz aqui é questão de ênfase. O perdão na antiga aliança olhava para o perfeito sacrifício futuro, que seria Jesus. Continue lendo “A graça e a verdade”

Quando ele vier

João 16.8-11: Este será o trabalho do Espírito Santo.

Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo. Do pecado, porque os homens não creem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e vocês não me verão mais; e do juízo, porque o príncipe deste mundo já está condenado.
João 16.8-11

Jesus tinha de retornar ao céu a fim de que o Espírito Santo viesse. Vivemos agora sob a direção do Espírito. Temos hoje sua palavra da verdade revelada nas Escrituras, v. 13. Continue lendo “Quando ele vier”

Nada de espada

João 18.11: Jesus abraça a vontade do Pai para o sofrimento.

Jesus, porém, ordenou a Pedro: “Guarde a espada! Acaso não haverei de beber o cálice que o Pai me deu?” João 18.11

Jesus se entregou à oposição. Ele veio à terra a fim de dar a sua vida e sofrer na cruz. Não haveria defesa nem proteção, pois a sua hora tinha chegado. A espada não tinha, e nem hoje tem, momento no plano de Deus. A essa altura, Pedro não tinha entendido a natureza do Reino de Deus. Continue lendo “Nada de espada”

O Pai está comigo

João 16.32: À sombra da cruz, Jesus tem confiança na bondade e na presença do Pai.

Aproxima-se a hora, e já chegou, quando vocês serão espalhados cada um para a sua casa. Vocês me deixarão sozinho. Mas eu não estou sozinho, pois meu Pai está comigo. João 16.32

Jó atribuiu a Deus seus sofrimentos. Ele quer que o Senhor o deixe em paz: “Já estariam no fim os meus poucos dias? Afasta-te de mim, para que eu tenha um instante de alegria” Jó 10.20. Ele fazia muitas perguntas ao Criador. Pensa que, se Deus o deixar sozinho, encontrará conforto. Mas na verdade é Deus quem o protege. Continue lendo “O Pai está comigo”

A natureza do caminho de Cristo

João 14.6: As palavras de Jesus fazem parte duma conversa.

Disse-lhe Tomé: “Senhor, não sabemos para onde vais; como então podemos saber o caminho?” Respondeu Jesus: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. Se vocês realmente me conhecessem, conheceriam também o meu Pai. Já agora vocês o conhecem e o têm visto. João 14.5-7

Esta famosa declaração de Jesus faz parte duma conversa com seus discípulos. Atenção ao contexto da declaração ilumina muito o seu significado. Continue lendo “A natureza do caminho de Cristo”

Não me deixou sozinho

Jesus sentia certeza da presença do Pai, e podemos também.

Aquele que me enviou está comigo; ele não me deixou sozinho, pois sempre faço o que lhe agrada. João 8.29

Jesus tinha certeza da presença do Pai com ele. No evangelho de João, refere-se frequentemente ao Pai como “Aquele que me enviou”. Para Jesus, o envio do Pai não era um ato único, no passado, para que, no presente, ele tivesse que se virar sozinho. Junto com a missão do Pai, veio a presença do Pai. Continue lendo “Não me deixou sozinho”

Se alguém decidir fazer a vontade de Deus

João 7.17: Para saber, é preciso antes decidir.

Se alguém decidir fazer a vontade de Deus, descobrirá se o meu ensino vem de Deus ou se falo por mim mesmo. João 7.17

Jesus continua sua resposta à questão sobre como ele podia ensinar verdades tão poderosas, não sendo instruído formalmente, v 15. O Senhor afirma a possibilidade de saber qual ensinamento vem de Deus. Mas é necessário, primeiro, querer fazer a vontade de Deus para conhecê-lo. Continue lendo “Se alguém decidir fazer a vontade de Deus”