O meu ensino não é de mim mesmo

João 7.16: O ensino de Jesus veio do Pai; o nosso, do Senhor.

Jesus respondeu: “O meu ensino não é de mim mesmo. Vem daquele que me enviou”. João 7.16

Por mais importante que seja mostrar amor às pessoas, não se pode ignorar o conteúdo do que é falado. De fato, o conteúdo correto é sinal do amor. Continue lendo “O meu ensino não é de mim mesmo”

Jamais verá a morte

João 8.51: O mandamento é simples e a promessa, firme.

Asseguro-lhes que, se alguém obedecer à minha palavra, jamais verá a morte”. João 8.51

Os judeus não podiam aceitar essa declaração de Jesus, pois eram desobedientes à vontade de Deus. Assim, não pertenciam a Deus, v. 47. Entenderam corretamente que tal promessa como Jesus fez acima podia vir somente de alguém maior do que Abraão. Continue lendo “Jamais verá a morte”

O Cordeiro de Deus

João 1.29: Para receber o perdão, precisamos ver o Cordeiro.

No dia seguinte João viu Jesus aproximando-se e disse: “Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” João 1.29

Num dia João afirma não ser o Messias, e no outro ele aponta Jesus como o Enviado de Deus. Diz que seu trabalho existia para revelá-lo a Israel, v. 31. O trabalho de Jesus, porém, não seria limitado ao povo judaico. Ele nasceu entre os judeus, trabalhou entre eles, foi morto por eles, mas sua obra visava tirar o pecado do mundo, de toda a humanidade. Continue lendo “O Cordeiro de Deus”

Como filho de Deus e seguidor de Cristo

João 5.17: Todo filho de Deus faz como o seu Pai celestial.

Disse-lhes Jesus: “Meu Pai continua trabalhando até hoje, e eu também estou trabalhando”. João 5.17

Deus quer que todos sejam salvos. Como filho dele, quero o que ele quer. Deus não somente quer que todos sejam salvos, mas ele trabalha com esse intuito. Como filho dele, trabalho porque ele trabalha. Continue lendo “Como filho de Deus e seguidor de Cristo”

Para quem tem sede

João 7.37-38: Só um tipo de sede Jesus satisfaz.

No último e mais importante dia da festa, Jesus levantou-se e disse em alta voz: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”. João 7.37-38

Quem tem sede de Deus, Jesus satisfaz. A sede significa desejo intenso de estar na presença de Deus. Continue lendo “Para quem tem sede”

Jesus sabia

João 13.3: Este conhecimento, como Jesus tinha, nos torna livres para servir.

Jesus sabia que o Pai havia colocado todas as coisas debaixo do seu poder, e que viera de Deus e estava voltando para Deus; João 13.3.

Com estes conhecimentos Jesus levantou-se da mesa e serviu os seus seguidores. Sua confiança no Pai e sua certeza de origem e de destino permitiram que ele ficasse livre para servir. Ele não tinha nada a provar. Não precisava se projetar como o Mestre nem competir com ninguém. Estava seguro na sua pessoa. Continue lendo “Jesus sabia”

Reino espiritual

João 18.36: O reino de Cristo não é deste mundo.

Disse Jesus: “O meu Reino não é deste mundo. Se fosse, os meus servos lutariam para impedir que os judeus me prendessem. Mas agora o meu Reino não é daqui”. João 18.36

No Antigo Testamento, quando Israel era o povo de Deus, a manifestação do reino de Deus na terra era física e terrena. Ao povo foi dada a terra de Canaã, com fronteiras e divisas estabelecidas. Muitas promessas que o Senhor tinha feito ao povo eram materiais. Havia um rei, um governo, uma cidade (Jerusalém) como capital e leis que determinavam como viver como cidadãos. A identidade do povo dependeu da descendência da parte de Abraão. Continue lendo “Reino espiritual”

Sua plenitude

João 1.16: Cristo nao é mesquinho.

Todos recebemos da sua plenitude, graça sobre graça. João 1.16

Todo aquele que recebe Jesus, v. 12, recebe da sua plenitude. O mesmo verbo, receber, aparece nos versos 12 e 16. O Senhor não retém nenhuma bênção, nenhum benefício, nem dos menores do seu povo. De fato, ele tem interesse especial nos pequeninos do seu reino. A igreja de Deus é a única verdadeira sociedade sem classes, ou distinções entre pessoas. Todos temos o mesmo acesso ao Senhor e à sua graça. Continue lendo “Sua plenitude”

Veja a sua glória

João 1.14: Jesus Palavra expressa a glória de Deus.

Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. Vimos a sua glória, glória como do Unigênito vindo do Pai, cheio de graça e de verdade. João 1.14

Tornar-se carne significa que Jesus se tornou ser humano. Ele nasceu também da vontade de Deus e não por meios humanos, João 1.13. Ele participou plenamente da vida humana. Viveu entre nós e teve todas as experiências que os homens têm—fome, sede, cansaço, emoções, sofrimento—menos uma—o pecado. Era Deus e era homem. Continue lendo “Veja a sua glória”

Torne-se filho de Deus

João 1.12-13: Não somos filhos de Deus automaticamente.

Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus, os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus.
João 1.12-13

Ninguém nasce, fisicamente, como filho de Deus. Não é por “meios naturais” (NTLH) que alguém é filho dele. Não somos seus filhos automaticamente. A afirmação: “Somos todos filhos de Deus”, é uma mentira. Continue lendo “Torne-se filho de Deus”