O aspecto mais surpreendente da imitação de Cristo

João 15.9-10: A obediência de Jesus serve de exemplo para seus seguidores.

jesus-obediencia-exemplo

Nenhum aspecto da imitação de Cristo nos surpreende mais do que o da obediência aos mandamentos. Continue lendo “O aspecto mais surpreendente da imitação de Cristo”

Jesus nos revela o nosso futuro

O conhecimento é poder.

É comum não contar ao paciente quando a morte se aproxima. A família não quer que os últimos dias sejam dolorosos. Pensa que a ignorância traz a paz.

O conhecimento é poder. Saber o que acontecerá antemão permite estar preparado. Ficar firme.

“Eu lhes tenho dito tudo isso para que vocês não venham a tropeçar”.
João 16.1 NVI

O conhecimento das tribulações futuras diz ao santo que Jesus o sabe e inclui o sofrimento pela sua missão como parte do plano.

Jesus não é surpreendido pela perseguição; tampouco devemos ficar surpresos.

Ele nos diz a verdade, não amacia a dureza do caminho. O discipulado significa saber o que vem pela frente, tanto o bem como o mal, e estar pronto para enfrentá-lo.

Nosso Deus, serei fiel, não importa o que acontecer. Obrigado por me preparar para seguir Jesus por todo o caminho.

Segure este pensamento: Aquele que conhece o nosso futuro também o garante.[subscribe2]

Deus não é nada para nós

Religiosos contra a vontade de Deus.

judeus negam Deus como rei

Mesmo na última hora, os judeus não falam a verdade. Mentem e manipulam o governador romano para conseguir o que querem.

Mas eles gritaram: “Mata! Mata! Crucifica-o!” “Devo crucificar o rei de vocês?”, perguntou Pilatos. “Não temos rei, senão César”, responderam os chefes dos sacerdotes.
João 19.15 NVI

Nem o imperador romano era o rei deles. Seu rei e deus eram sua própria ambição, a qual os levou a negar o Deus que diziam servir. Quem fala assim são os chefes dos sacerdotes e não um judeu qualquer. Eram os coordenadores do serviço no templo. Os líderes religiosos do povo de Deus. Eles deixam claro nesse momento que Deus não era nada para eles.

Quando nossa vontade entra em conflito com a vontade de Deus, quando nossa visão do reino contradiz o propósito divino, chegará momento em que negaremos o Deus a quem dizemos servir.

O bem-intencionado pode atrapalhar

Faça a vontade de Deus.

Bem intencionado. Corajoso. Obsequioso. Tem gente que vai tentar proteger você (talvez os pais!). Vão iniciar uma intervenção para que não aconteça o mal. Pensam em fazer o melhor para você, inclusive para a sua fé.

Mas Jesus disse a Pedro: —Guarde a sua espada! Por acaso você pensa que eu não vou beber o cálice de sofrimento que o Pai me deu?
João 18.11 NTLH

Assim fez Pedro por Jesus. O apóstolo pensava estar agindo para o bem de Jesus. Mas nosso Senhor estava indo para a Cruz, exatamente conforme tinha planejado, pois assumira a vontade de Deus.

Não deixe que ninguém o poupe de sofrer pelo reino de Deus.

 

O chupa-cabra das palavras

Palavras são poderosas, fazem grande efeito.

palavras poderosasSubestima-se o poder e o efeito das palavras hoje. A hipocrisia e a incoerência viraram o chupa-cabra das palavras. Dizem os céticos que o falar é fácil, mas o desafio é o fazer. Não estão sem a razão, mas nem por isso é tão fácil falar bem e efetuar grandes realizações por meio das palavras.

E Jesus disse ainda: —Eu digo isso para que vocês não abandonem a sua fé.
João 16.1 NTLH

Jesus tem palavras conservadoras, que fazem com que não percamos a fé. Suas palavras divinas e inspiradas transformam a alma e preservam o propósito de Deus dentro do coração.

E quando usamos as palavras dele, quando suas verdades se tornam nossas, as nossas palavras também poderão ter grande efeito para o bem, para conduzir as pessoas à eternidade.

Parte do poder das palavras de Jesus era falar aos discípulos o que viria a acontecer no futuro. Ele predizia seu sofrimento, a vinda do Espírito Santo, sua ida para o lado do Pai. E nos diz também o que ocorrerá: sofrimentos pelo Reino, frutos que permanecem, a vinda dele para nos levar para o céu.

O chupa-cabra não existe, você sabia? E as palavras, especialmente as de Jesus, continuam tendo o mesmo poder de sempre.

O Grito da Betânia

Se o grito produzir o mesmo do Grito da Betânia, haja gritaria!

grito da vidaDizem que a gritaria não resolve nada, só piora as coisas. Dizem. E não estão longe da verdade. Mas temos o Grito do Ipiranga para contrariar a sabedoria popular. E o Grito da Betânia.

Depois de dizer isso, [Jesus] gritou: —Lázaro, venha para fora! E o morto saiu.
João 11.43-44a, NTLH

O ato foi a Verbo. A palavra em si fez acontecer a ressurreição de Lázaro. O poder divino contido num pronunciamento, numa ordem, num grito!

Retoricamente, o grito dá ênfase, eleva o termo acima da conversa corriqueira, realça a proclamação dentre outros dizeres.

Jesus não precisva gritar. Podia ter sussurrado, com o mesmo efeito. Mas a solenidade do momento merecia um destacamento digno da re-criação da vida.

O que nos lembra da promessa do Grito do Último Dia, quando todos se levantarão da morte (1 Tessalonicenses 4.16).

 

Quem escuta, prova ser dele

Jesus é pastor único que chama às ovelhas.

ouvir é obedecerMuitos filhos ouvem seus pais, mas ignoram. Fingem que não ouvem. Fazem sua própria vontade. Ou a vontade dos amigos que os convencem para fazer algo proibido ou prejudicial.

Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os ouviram.
João 10.8 NVI

Jesus é o Messias verdadeiro, enviado pelo Pai. Os líderes religiosos do dia não representavam a vontade de Deus. Quem escutava a Jesus era de fato o rebanho espiritual, os seguidores genuínos.

O Senhor nos chama. Ouviremos? Atenderemos?

Ouvir significa mais do que prestar atenção. É um termo do Antigo Testamento para indicar o seguimento e a obediência.

Quando damos ouvidos hoje às figuras religiosas, ao invés de ouvir Jesus, não pertencemos ao rebanho dele.

Uma boa obra puxa outra

Comece pequeno e oportunidades maiores virão.

obras maioresUma boa obra cria oportunidades para praticar mais boas obras. Quando se faz o bem, portas se abrem e o bem é multiplicado. Quem acha que falta oportunidade, portanto, precisa agir e aparecerá mais oportunidades do que poderá aproveitar.

Jesus volta, pois, a Caná da Galiléia onde mudara a água em vinho. Havia lá um oficial régio, cujo filho estava doente em Cafarnaum.
João 4.46 TEB

O primeiro milagre registrado no evangelho de João foi o do vinho no casamento em Caná. Voltando Jesus para lá, o oficial devia ter ouvido do primeiro e, por isso, procura o Senhor para pedir-lhe ajuda para seu filho doente.

O primeiro milagre de Jesus não salvou ninguém, não curou ninguém, não levantou ninguém dos mortos. Apenas poupou o responsável da festa de passar vergonha. Desta vez, Jesus cura, à distância, o filho de um oficial importante.

Faça hoje o pequeno bem para amanhã poder fazer a obra maior.

Jesus nunca faria uma coisa dessa

Jesus bateu nos cambistas?

falsas ideias sobre JesusImagine minha surpresa quando, pela segunda vez em pouco tempo, ouvi que eu estava de mudança para outra cidade. Uma vez, espalhou-se o boato que eu tinha abandonado a igreja do Senhor para entrar numa denominação. Provavelmente, pessoas já pensaram coisas erradas a seu respeito também. As pessoas formam impressões falsas dos outros, tem uma imagem dos outros bem diferentes da realidade.

Com as expectativas messiânicas dos judeus, Jesus foi especialmente sujeito a imagens falsas no seu dia. E hoje também criamos nossa própria ideia de quem era Jesus.

Então ele fez um chicote de cordas e expulsou todos do templo, bem como as ovelhas e os bois; espalhou as moedas dos cambistas e virou as suas mesas.
João 2.15 NVI

Ao lerem este verso sobre a expulsão dos cambistas do templo por Jesus, as pessoas não querem acreditar que Jesus teria cometido um ato de violência com seres humanos. Será que Jesus realmente bateu nas pessoas? perguntam. É óbvio que ele não estava usando o chicote para pular cordas. Claro que Jesus o usou para botar os cambistas a correr!

O problema de não enxergar isso no verso é a imagem que se tem de Jesus. Ele nunca faria uma coisa dessa, dizem. Jesus era meigo e pacato, nunca levantou a voz, nunca deixou de sorrir e passar a mão nas criancinhas.

É hora de ler a Bíblia e deixar o próprio Jesus definir quem é e o que faz.

Porque o Jesus da Bíblia é bem diferente daquele do nosso achismo.

A verdadeira celebridade

Jesus é Deus! Isso é celebridade.

prólogo joãoA celebridade hoje é o processo contínuo de atribuir qualidades divinas a um série interminável de seres humanos, cujos feitos chamam atenção, mas cujos erros logo os desqualificam. Surgiu nos tempos modernos porque as pessoas não reconhecem em Jesus a pessoa de Deus.

Antes de ser criado o mundo, aquele que é a Palavra já existia. Ele estava com Deus e era Deus.
João 1.1 NTLH

Fred Allen disse: “Uma celebridade é uma pessoa que trabalha duro a vida inteira para se tornar conhecida e depois passa a usar óculos escuros par não ser conhecida”. A Palavra (o termo de João para o Jesus eterno) se tornou conhecida quando assumiu a condição humana e sempre deseja ser conhecida por todos, pois por meio deste conhecimento conhecemos a Deus.

Leia no prólogo de João (1.1-18) sobre a Palavra, que é Jesus.

Deus eterno, obrigado que conhecemos a Palavra, expressão perfeita da sua mente, presenca constante no nosso meio.