Do coração para a boca

Lucas 6.45: O coração é completa dedicação; a boca é o ensino.

Fala-se muito em ser uma pessoa do bem. O mundo, porém, tem pouca ideia do que significa ser boa pessoa. É mais do que bons modos. Algumas das pessoas mais ímpias são, nos tratos com elas, muito agradáveis. Continue lendo “Do coração para a boca”

Levado a lugares solitários

Lucas 8.29: Nossos demônios fazem o mesmo dos de outrora.

Estar sozinho pode ser bom ou ruim. Jesus frequentemente procurava estar a sós a fim de orar ao seu Pai. Assim, é bom ficar longe das pessoas para estar junto de Deus. Mas outro tipo de solidão é ruim. Continue lendo “Levado a lugares solitários”

A boa organização permite a realização eficaz

Lucas 9.14: Mesmo fazendo milagres, Jesus organizou as pessoas para efeito máximo.

Deus é Deus de ordem e não bagunça. Pela ordem as pessoas são servidas e as necessidades supridas. Jesus reconheceu e lançou mão da boa organização no seu ministério. Continue lendo “A boa organização permite a realização eficaz”

Questão maior que o poder do diabo

Lucas 4.8: Podia o diabo entregar a Jesus todos os reinos do mundo? Faz diferença?

Pessoas discutem de vez em quando se o diabo tinha ou não condições de cumprir sua promessa a Jesus quando lhe oferecia autoridade sobre todos os reinos do mundo, Lucas 4.5.

Primeiro, devemos lembrar que o diabo é mentiroso e lança mão da mentira nas suas tentações.

Na narrativa, porém, existe algo de maior importância do que sua condição de entregar a Jesus os reinos do mundo. Continue lendo “Questão maior que o poder do diabo”

O que você vai fazer com isso?

Lucas 7.28: Quer ser maior do que João, o Imergidor?

Jesus consistentemente traz de volta ao indivíduo o significado do evangelho para sua vida. Após perguntas e opiniões a respeito dos outros, o Senhor termina com uma afirmação surpreendente que procura fazer o ouvinte pensar na sua situação perante Deus.

Eu lhes digo que entre os que nasceram de mulher não há ninguém maior do que João; todavia, o menor no Reino de Deus é maior do que ele.
Lucas 7.28

A dúvida de João, o imergidor, enquanto na prisão, não devia diminuir a opinião das pessoas a respeito dele. João não tinha igual. Era homem corajoso que tinha sido escolhido por Deus para um momento crítico no plano divino. Cumpriu maravilhosamente bem seu papel como arauto da vinda do Messias. Continue lendo “O que você vai fazer com isso?”

‘Isto é obra do Senhor!’

Lucas 1.25: Deus escolhe pessoas para seu projeto.

obra-deus

Deus tem, desde antes da criação do mundo, um grande projeto de amor. O alvo deste projeto é o ser humano. O mais surpreendente de tudo: ele chama seres humanos para participar deste projeto e para avançar o interesse do seu reino.

Em Lucas 1, três pessoas são escolhidas para fazer parte do projeto, em momento crítico do seu cumprimento. Zacarias, Isabel e Maria, cada um na sua condição individual, mas todos como servos obedientes a todos os mandamentos do Senhor, v. 6, são chamados para se submeterem à obra do Senhor e serem instrumentos da sua poderosa mão, v. 66. Continue lendo “‘Isto é obra do Senhor!’”

A pressão da multidão

Lucas 4.42: Não se deixe desviar!

Já sabemos a verdade, “Não acompanhe a multidão na prática do mal” Êxodo 23.2 NBV. Mas talvez ainda não estejamos cientes do poder da multidão para nos desviar da nossa missão.

Ao romper do dia, Jesus foi para um lugar solitário. As multidões o procuravam, e, quando chegaram até onde ele estava, insistiram que não as deixasse.
Lucas 4.42 NVI

No próximo verso, Jesus resiste à sua pressão, porque tinha fixado bem na mente a sua missão. Mas nosso propósito aqui é chamar atenção à pressão poderosa que uma multidão pode exercer, muitas vezes, ao sacrifício do senso de missão do indivíduo.

Isso se aplica especialmente ao seguimento de Cristo, ao cumprimento da sua obra na terra, à proclamação da verdade do evangelho, à vida dedicada a Deus.

A multidão talvez nem peça por algo que seja em si errado. Talvez ela queira que a alimentemos ou ajudemos de alguma forma. (Isso se chama egoísmo.) Mas pode nos impedir de fazer a todos o bem maior da salvação.

Que ouça eu a sua voz, ó Deus, convencido sempre pela sua palavra, e não pela pressão da multidão.

Segure essa ideia: Deus convida, enquanto a multidão, / Pra mudarmos o foco, fará pressão.

Qual o seu plano?

As coisas não acontecem por acaso, nem a conversão do próximo.

“Pense só: quanto mais as pessoas e algumas congregações poderiam fazer se apenas gastassem tanto tempo ponderando o crescimento do reino, quanto gastam no planejamento das férias ou no temperatura do ambiente durante o culto”.

Assim escreveu Steve Higginbotham no seu devocional sobre a parábola do servo astuto. Jesus disse:

“Pois os filhos deste mundo são mais astutos no trato entre si do que os filhos da luz” (Lucas 16.8 NVI).

Qual o seu plano para alcançar os perdidos? O seu, pessoalmente. Como chegará a ensinar aquele vizinho seu ou colega de trabalho? Qual a sua estratégia? Qual o seu recurso? Quem são as pessoas no topo da sua lista de oração e proclamação? Quais os seus alvos para o evangelismo? Como você vai chegar do ponto de dizer: “Bom dia”, para falar: “Levante-se e seja batizado”?

As pessoas não vão se converter por acaso. O processo não ocorre como o cair na água ou tropeçar nos cardaços. Somente por oração que faz a testa suar e astúcia que bondosamente traça projetos levará você alguém a Cristo.

A parábola em Lucas 16 segue logo as três em Lucas 15, estas sobre encontrar os perdidos. Não deve esta proximidade nos dizer algo? Como a nossa necessidade de sermos astutos em alcançar os perdidos.

O tempo está correndo.

Quem não vai, não se converteu ainda

Quem converte, vai.

Nos domingos de manhã, a caminho da reunião da igreja, vemos pessoas fazendo caminhada e cooper e andando de bicicleta. Ao longo da pequena distância que andamos, são dezenas de pessoas que se levantam no seu dia de folga para cuidar da saúde.

E todo o povo se levantava cedo pela manhã e ia ao templo para ouvi-lo.
Lucas 21.38 VFL

Enquanto isso, pouquíssimos conseguem levantar pela manhã para se encontrar com Jesus.

Ir na igreja não faz de você um cristão. É isso que as pessoas adoram falar. E tem uma pitada de verdade.

Por outro lado, você não pode ser um cristão sem servir aos irmãos, sem participar da vida da igreja, sem estar presente no meio do povo de Deus.

Quem segue a algum tempo Deus Conosco sabe que falamos pouco sobre “frequência à igreja”. Porque quem é realmente convertido a Cristo levanta cedo (ou qualquer que seja o horário) para ouvi-lo no meio da igreja.

Quem não vai, não se converteu ainda.