Qual a sua dúvida?

Qualquer que seja, Jesus resolve a nossa dúvida.

Todo mundo tem dúvidas. A questão é o que se deve fazer com as dúvidas. João, o Imergidor, fez a coisa correta.

Aí João chamou dois deles e os enviou ao Senhor Jesus para perguntarem: —O senhor é aquele que ia chegar ou devemos esperar outro?
Lucas 7.19 NTLH

Jesus responde às dúvidas. Ele resolve as nossas dúvidas. Sua resposta a João foi decisiva e completa. Não há dúvida que ele não tem como tratar.

Talvez a resposta não seja aquele que queremos ouvir. Mas isso levanta outra questão: Se vamos aceitá-lo como Senhor ou não. Não é à toa que João mandou perguntar ao “Senhor”.

Qual a sua dúvida?

[subscribe2]

Sinto-me realizado com a realização de Deus

Deus cumpre a promessa, nós queremos voar.

Ir para o céuQuando alguém cumpre uma promessa que nos fez, a satisfação é enorme. O Espírito fez uma promessa a Simeão, homem bom e piedoso, de que veria o Messias. Chega o dia da promessa:

Quando os pais levaram o menino Jesus ao Templo para fazer o que a Lei manda, Simeão pegou o menino no colo e louvou a Deus. Ele disse: —Agora, Senhor, cumpriste a promessa que fizeste e já podes deixar este teu servo partir em paz.
Lucas 2.27b-29 NTLH

Tudo indica que Simeão era idoso, embora o texto não declare o fato. E Simeão não chegou a ver a redenção de Israel. Mas viu o menino que, mais tarde como adulto, traria a salvação. Demoraria ainda mais de 30 anos, quase uma geração.

Só de ver o menino Jesus, porém, e de perceber que Deus estava colocando em ação o projeto por tanto tempo esperado pela nação de Israel, já era para Simeão mais do que suficiente, tanto que se sentia realizado e pronto para passar desta vida e adentrar a eternidade.

Esta sua prontidão marca o coração de cada cristão. Temos sim o nosso serviço no reino. Esperamos ainda fazer muitas conquistas espirituais. Não deixamos de fazer planos cuja estampa diz: “Se o Senhor quiser”. Sentimo-nos ainda impulsionados pela Grande Comissão.

Contudo, como Simeão, vimos a promessa divina se cumprir em Jesus e na sua crucificação. Vimos o sangue de Jesus aplicado às nossas almas no dia da nossa imersão em Cristo e a cada dia desde a nossa conversão. Sentimos a transformação da nossa vida, tornando-nos a cada dia mais como o nosso Mestre.

E como Simeão, ficamos impressos com a paz de Deus, com a satisfação da virada da história humana manifesta em nós. Recebemos dele a bem-aventurança que virou de ponta cabeça os valores do mundo, trazendo-nos a plenitude divina.

E ainda como Simeão, nós, idosos e jovens, homens e mulheres, ricos e pobres, vivemos na prontidão de ir embora para estar com Deus. A cada dia vamos, sim, trabalhar por ele, mas depositada no coração é a oração do maranata, o desejo de voar longe daqui, o sorriso que deixa escapar da boca este louvor a Deus: “já podes deixar este teu servo partir em paz”.

Muito além dos sonhos

Deus responde à oração do justo.

Deus responde oraçãoQuando um justo ora com fé e perseverança, Deus responde à sua oração. E não somente dá o que pede, mas responde muito além dos seus sonhos.

Mas o anjo lhe disse: —Não tenha medo, Zacarias, pois Deus ouviu a sua oração! A sua esposa vai ter um filho, e você porá nele o nome de João. O nascimento dele vai trazer alegria e felicidade para você e para muita gente, pois para o Senhor Deus ele será um grande homem. Ele não deverá beber vinho nem cerveja. Ele será cheio do Espírito Santo desde o nascimento e levará muitos israelitas ao Senhor, o Deus de Israel. Ele será mandado por Deus como mensageiro e será forte e poderoso como o profeta Elias. Ele fará com que pais e filhos façam as pazes e que os desobedientes voltem a andar no caminho direito. E conseguirá preparar o povo de Israel para a vinda do Senhor.
Lucas 1.13-17 NTLH

Pelo que Zacarias orava por tanto tempo? Por um filho? O que mais ele pedia? Provavelmente, não pedia muito mais do que ter um filho. Talvez que o filho tivesse boa saúde. Talvez que o pai pudesse ver o filho crescer. Coisas normais, desejos que a maioria das pessoas pede.

Mas veja acima como o menino seria especial. Como Deus o fez parte do seu plano de salvação. Como o nascimento dele traria “alegria e felicidade para você e para muita gente”. Como seria um grande homem.

Duvido que Zacaria pedisse por tudo isso. Mas Deus lhe deu, porque era bondoso, porque quem pedia era justo fiel e perseverante.

Deus ouve a nossa oração, a primeira vez que oramos. E, após dias ou semanas ou anos, ele ainda ouve e, no tempo dele, responde. Se formos justos piedosos e devotos, com orações crentes e perseverantes.

Quando Deus agir para tornar evidente a sua resposta, veremos como ele, como no caso de Zacarias, responderá muito além dos nossos sonhos também.

E, talvez como Zacarias, ficaremos mudos, de tão admirados com a resposta.

O homem apenas um animal?

O ser humano é criatura à parte.

Ser humanoUm grupo de proteção aos animais declara que tudo é igual: cão, gato, rato, homem. Mas Jesus não concorda.

(…) vocês valem mais do que muitos passarinhos!
Lucas 12.7 NTLH

O ser humano não é apenas um animal como qualquer outro, mas a criação mais preciosa de Deus, criado à sua imagem. Esta diferença o distingue e o eleva acima dos animais.

Deus trata o homem de modo diferente. Nós também devemos.

 

Seus pecados perdoados

Podemos ouvir Jesus falar no perdão também.

perdoadoFalar é fácil, difícil é fazer. Dizem. Mas quando Jesus durante a vida dele oferecia o perdão, ele falava sempre à sombra da Cruz.

Então Jesus disse a ela: “Seus pecados estão perdoados”.
Lucas 7.48 NVI

Palavras fáceis, aparentemente, e repetidas várias vezes às pessoas mais variadas. Jesus podia oferecer o perdão dos pecados, porque ele ia morrer por estes em breve. Todo perdão antes da Cruz visava o sacrifício de Jesus.

Às vezes, nem confissão nem declarações de arrependimento o Senhor não exigia.

Hoje, deste lado de Cruz em que vivemos, Jesus também oferece o perdão. Mas na sua ausência pessoal, ele deixou procedimentos, como fazer para termos certeza de que um dia ouviremos dos lábios dele as mesmas palavras que falou para a mulher pecadora.

Quais são estes procedimentos? Veja como são simples.

O trabalhador de uma só ferramenta

Problema único e solução única!

problema pecadoO martelo de unha tem um uso singular: bater o prego. O psicólogo americano, Abraham Maslow, disse que se você tem só um martelo, todo problema parece um prego. Esta é, no bom sentido, exatamente a situação do cristão.

Jesus lhe disse: “Deixe que os mortos sepultem os seus próprios mortos; você, porém, vá e proclame o Reino de Deus”.
Lucas 9.60 NVI

Jesus não quer voluntários que oferecem seus serviços (versos 57-58). Ele não aceita pessoas de compromisso dividido (versos 61-62). Tampouco permite entrar no serviço gente que não enxerga o verdadeiro serviço do Reino, o de proclamação (versos 59-60).

Pois a tarefa de Jesus é singular: proclamar o reino de Deus. O problema é único: o pecado. E o cristão tem uma única ferramenta na sua caixa, o evangelho. Pois esta, e nenhuma outra, resolve.

 

Seguiu, morreu

Como os dois criminosos caminharam e morreram com Jesus, quem o segue também morre com ele. Lc 23.32

E levavam também com ele dois criminosos, para serem mortos.
Lucas 23.32, A21

seguir Jesus significa morrer com eleQuem caminha com Jesus morre com ele. Foi o que aconteceu com os dois criminosos. Caminharam com ele até a Caveira e lá morreram com ele.

Este é o fato básico do discipulado, do seguimento de Jesus. Quando Jesus chama as pessoas para o seguirem, para carregarem a cruz, significa a morte.

A morte para si mesmo. A morte para o mundo. A morte para o pecado.

E significa a ressurreição para a vida, para viver para Deus, para servir os interesses do seu reino.

Você está disposto para tanto? Sigamo-no!

 

Batismo como propósito de Deus

Mas os fariseus e os peritos na lei rejeitaram o propósito de Deus para eles, não sendo batizados por João.
Lucas 7.30 NVI

A recusa do batismo de João por parte das autoridades religiosas judaicas sinalizava a rejeição do propósito de Deus para eles.

João era enviado por Deus (João 1.6), para preparar o caminho para Jesus. Sua mensagem incluía a mudança de vida e a imersão na água para o perdão dos pecados. E embora seu batismo fosse preparatório e temporário (ver Atos 19.1ss), fazia naquele período parte do propósito de Deus como o sinal concreto do arrependimento e do perdão de Deus. Continue lendo “Batismo como propósito de Deus”

Por que me chamam Senhor?

“Por que vocês me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que eu digo?”
Lucas 6.46

Da boca pra fora. Assim faz quem chama Jesus de Senhor sem fazer o que ele manda. Sem obedecer ao mandamento de Cristo, a fé é vã.

As palavras de Maria ainda valem: “Façam o que ele mandar” (João 2.5). Continue lendo “Por que me chamam Senhor?”

José e Maria eram pobres

Os pais de Jesus eram pobres, pelo que tudo indica. Um indício disso vem de Lucas 2.22-24, parte do nosso roteiro de leitura bíblica:

Completando-se o tempo da purificação deles, de acordo com a Lei de Moisés, José e Maria o levaram a Jerusalém para apresentá-lo ao Senhor (como está escrito na Lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor”) e para oferecer um sacrifício, de acordo com o que diz a Lei do Senhor: “duas rolinhas ou dois pombinhos”.

Pessoas que não tiveram condições econômicas de comprar um cordeiro, deviam levar os pássaros (Levítico 12.8). Então, o texto acima parece indicar que José e Maria teria tido dificuldade para apresentar a oferta mais cara. Continue lendo “José e Maria eram pobres”