Adoração exclusiva: o exemplo de Jesus

Mateus 4.10: Na tentação de Jesus, aprendemos que a adoração a Deus é exclusiva.

Jesus lhe disse: “Retire-se, Satanás! Pois está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus, e só a ele preste culto’”. Mateus 4.10

Os israelitas misturaram elementos do culto pagão na sua adoração ao Senhor. O rei Acaz, por exemplo, construiu um altar segundo o modelo de um altar que tinha visto em Damasco e encostou o altar que Deus tinha mandado fazer, 2 Reis 16.10-14. Sempre que o homem importa a adoração conforme os seus padrões, ele coloca em segundo plano o modelo divino. Continue lendo “Adoração exclusiva: o exemplo de Jesus”

‘Entregues por meu Pai’

Mateus 11.27: Somente Jesus conhece, e pode.

Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém conhece o Filho a não ser o Pai, e ninguém conhece o Pai a não ser o Filho e aqueles a quem o Filho o quiser revelar. Mateus 11.27

Jesus disse possuir todo o conhecimento divino para cumprir a sua missão e revelar o Pai aos pequeninos que ouvem humildemente a Palavra. O conhecimento recíproco entre o Pai e o Filho demonstra um relacionamento especial. Se alguém quer chegar até Deus, tem que passar, necessariamente, por Jesus. Continue lendo “‘Entregues por meu Pai’”

Fuja para o Egito

Mateus 2.13: Deus frustra os planos malignos contra sua vontade.

Depois que [os magos] partiram, um anjo do Senhor apareceu a José em sonho e lhe disse: “Levante-se, tome o menino e sua mãe, e fuja para o Egito. Fique lá até que eu lhe diga, pois Herodes vai procurar o menino para matá-lo”. Mateus 2.13

O Senhor Deus cuida dos seus. Quando os magos chegaram do Oriente a Jerusalém perguntando sobre o recém-nascido rei dos judeus, a cidade ficou alvoroçada. O rei Herodes ficou perturbado. Planejou matar a criança para preservar seu posto. Pediu que os magos encontrassem o menino e voltassem para lhe informar. Disse que queria adorá-lo também, mas na verdade queria matá-lo. Continue lendo “Fuja para o Egito”

Garantia de destruição

Mateus 24.2: Jesus joga por terra o orgulho do homem.

“Vocês estão vendo tudo isto?”, perguntou ele. “Eu lhes garanto que não ficará aqui pedra sobre pedra; serão todas derrubadas”.
Mateus 24.2

Jesus quer destruir aquilo em que temos orgulho, para que possamos orgulhar-nos somente nele. Numa visita a Jerusalém, seus discípulos “aproximaram-se dele para lhe mostrar as construções do templo” v. 1. Não se sabe por que fazem isso agora, no final do ministério do Senhor, pois tinham vindo junto com ele várias vezes ao longo do seu tempo com ele. Talvez por haver algum progresso na construção? De qualquer maneira, estavam alegres de ver a construção e pensavam que o Senhor compartilharia sua alegria. Continue lendo “Garantia de destruição”

Ensinava com autoridade

Mateus 7.28-29: A razão porque Jesus ensinou com autoridade.

Quando Jesus acabou de dizer essas coisas, as multidões estavam maravilhadas com o seu ensino, porque ele as ensinava como quem tem autoridade, e não como os mestres da lei. Mateus 7.28-29

Jesus ensinava exatamente o que seu Pai lhe mandou dizer, João 12.49-50. Seu ensinamento não representava conclusões humanas e citações acadêmicas. Falava com segurança. Não oferecia listas de possíveis interpretações. Continue lendo “Ensinava com autoridade”

Procurou, encontrou

Mateus 13.44-46: Alto preço, tudo o que se tem.

O Reino dos céus é como um tesouro escondido num campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o de novo e, então, cheio de alegria, foi, vendeu tudo o que tinha e comprou aquele campo. O Reino dos céus também é como um negociante que procura pérolas preciosas. Encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo o que tinha e a comprou. —Mateus 13.44-46

Estas duas pequenas parábolas têm em comum uma frase que serve como o ponto de comparação principal: “vendeu tudo o que tinha e (…) comprou”. Continue lendo “Procurou, encontrou”

Ação: Brilhar

Mateus 5.16: Queremos que outros vejam o poder e o amor de Deus em nós.

LER: “Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus” Mt 5.16.

PENSAR: A nossa luz é a de Deus em nós. Não queremos aparecer, Mt 6, mas sim a presença de Deus em nós. Por isso, não nos escondemos. Queremos que outros vejam o poder e o amor de Deus em nós. Assim, o glorificarão ao invés de ficar impressionados com nosso empenho. Luz representa santidade, verdade e majestade divinas, Is 60.1; 1Jo 1.5. Continue lendo “Ação: Brilhar”

Ação: Buscar

Mateus 6.33: Como fazer toda atividade servir a essa busca?

LER: “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas” Mt 6.33.

PENSAR: Buscar significa prioridade, esforço máximo e foco definido. Implica em confiança em Deus de prover o necessário, ao se dedicar tempo à busca. O reino é colocar Deus acima de tudo, “primeiro em (1) importância, (2) tempo e (3) ênfase” (Coffman). A justiça é a prática da retidão, obediência à vontade divina. Buscar é verbo forte, intenso. Continue lendo “Ação: Buscar”

Ação: Temer

Mateus 10.28: Aprenda a temer a Deus conhecendo seu caráter e sua obra.

LER: “Não tenham medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes, tenham medo daquele que pode destruir tanto a alma como o corpo no inferno” Mt 10.28.

PENSAR: O temor a Deus é ponto de partida em toda a Bíblia, Dt 8.6, 1Pd 2.17, o princípio da sabedoria, Sl 111.10; Pr 1.7; 9.10. Inclui respeito, reverência e medo. Mostra-se temor pela obediência a Deus. É ligado ao juízo, Ap 14.7, ao louvor, Hb 12.28, e ao evangelismo, 2Co 5.11. Continue lendo “Ação: Temer”

Ação: Ensinar

Mateus 28.20: Torne-se apto, o mais rápido possível, de ensinar a verdade.

LER: “ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei” Mt 28.20.

PENSAR: O ensino é processo pelo qual se torna conhecida a vontade de Deus e todos os mandamentos de Cristo, contidos nas Escrituras. Pelo conhecimento destas, torna-se apto de ensinar, 2Tm 3.16-17. A matéria já é definida, e também o objetivo, o de obedecer a Cristo. Para aprender a atitude correta de temor a Deus é necessário ensinar, Sl 34.11; Pr 22.19. Continue lendo “Ação: Ensinar”