Por acaso sou eu?

Cuidado como responde à pergunta!

Confissão de CristoA pergunta que os discípulos fazem, mesmo que retórica, é apropriada para os cristãos também, especialmente durante a ceia do Senhor. Foi durante a Páscoa, quando Jesus estabeleceu a ceia, que lhe fizeram a pergunta, após o Senhor afirmar que um deles o trairia.

E eles começaram a ficar tristes e a dizer-lhe, um após o outro: —Por acaso sou eu?
Marcos 14.19 VFL

Eu trairia Jesus? Eu o negaria? Eu o abandonaria ao chegarem os inimigos?

Tomemos cuidado para não responder rápido demais, casualmente.

Esta passagem levou o comentarista Matthew Henry a orar:

Senhor, dê-me graça para me guardar de negar-te.

Segure este pensamento: Fraco sou sob pressão, preciso da força de Deus, na fé, para confessar Jesus.

Conservem o que vocês têm

Não abra mão da fé, mesmo nas piores dificuldades.

No livro de Apocalipse, as cartas de João às sete igrejas seguem um padrão, mas cada uma se adapta à situação da comunidade à qual o apóstolo escreve.

A mensagem geral é clara. A necessidade atravessa todas as fronteiras.

Conservem o que vocês têm até eu voltar.
Apocalipse 2.25 VFL

A fidelidade é a chave. Alguns precisam corrigir, arrepender-se, mudar o que está errado, a fim de ser fiéis agora e manter a fidelidade nas provações futuras.

O Senhor não coloca “nenhuma outra carga” sobre seu povo fiel, além disso: a de perseverar e vencer (versos 24, 26).

Pode vir a morte física, mas o povo vencedor da fé “de maneira nenhuma sofrerá a segunda morte” (verso 11).

Deus fiel, que eu nunca vacile, nunca desvie, que eu nunca canse da promessa daquele que vive.

Segure este pensamento: Segure a fé por mais um pouco, até que Cristo venha.

Perdendo o reino de Deus

Israel o perdeu, nós também podemos.

O medo da perda serve como grande motivador. A possibilidade de perder um pertence ou relacionamento precioso já forçou muita gente a mudar comportamentos e hábitos.

Ao mesmo tempo, alguns continuam tão teimosos em suas vidas, tão fixados na sua mentalidade, que absolutamente nada os moverá. Assim eram os judeus na época de Jesus.

“Portanto eu lhes digo que o Reino de Deus será tirado de vocês e será dado a um povo que dê os frutos do Reino” (Mateus 21.43 NVI).

A razão foi a rejeição de Cristo. Os judeus, portanto, deixaram de ser o povo de Deus. Cristo prometeu estabelecer sua igreja (Mateus 16.18). A igreja (no grego, ekklesia) era um termo do Antigo Testamento, na Septuaginta (tradução grega, da língua hebraica original), descrevendo o povo de Deus reunido perante sua presença. Cristo criaria um novo povo.

O mesmo risco da perda continua ainda hoje para um indivíduo ou congregação, se se rejeita a autoridade de Cristo como Senhor. A igreja efésia ficava a perder seu lugar como povo de Deus (Apocalipse 2.5). Para permanecer como uma congregação que podia usar o nome de Cristo precisava arrepender-se. “Pratique as obras que praticava no princípio”.

Deus soberano, que eu possa andar sempre nos caminhos do seu reino, seguindo a verdade recebida de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Segure este pensamento: Perder o reino é tudo desperdiçar!/ Tal perda além do poder de calcular!

 

Completar a missão

É simples: chegue lá.

No sábado um bom amigo meu quebrou a clavícula esquerda e fraturou uma vértebra. Passou o dia inteiro no pronto socorro. No domingo de manhã, ele levantou-se, tomou umas duas aspirinas (ao invés dos remédios que iam deixá-lo tonto) e ensinou a sua classe da escola dominical.

Sua esposa disse que ele estava apenas fazendo o que tinha sido treinado a fazer como militar: completar a missão.

“Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé” (2 Timóteo 4:7 NVI).

O curso da nossa fé e da nossa missão para Deus está repleto de ossos quebrados, de quedas e levantes. Nenhum destes, porém, pode ser tão grave de modo a nos impedir de completar a nossa missão.

Oh, Deus, faça-me à imagem daquele que disse: “Está consumado!”

Segure este pensamento: Não importa o que houver do outro lado da colina ou além da curva, que nada o impeça de alcançar o fim da jornada.

 

Um dos primeiros discípulos

A experiência e a fidelidade inspiram a imitação.

Não há nenhum mérito especial por tempo de ser cristão. Mas no primeiro século, significava que as pessoas que se converteram bem no início estavam presentes para muitos dos eventos que marcaram o início da igreja e da era cristã. Isso teria trazido uma perspectiva valiosa para a época. Um destes era Mnasom.

Alguns dos discípulos de Cesaréia nos acompanharam e nos levaram à casa de Mnasom, onde devíamos ficar. Ele era natural de Chipre e um dos primeiros discípulos.
Atos 21.16 NVI

Como um dos primeiros discípulos, Mnasom tinha acompanhado o movimento cristão desde cedo e a ele pertencia. E mais: Ele tinha demonstrado fidelidade durante a perseguição pelos judeus e durante as controvérsias sobre a lei. Devia ter adquirido uma boa experiência nesta longa convivência com Cristo.

Mais ainda, Mnasom ainda era homem hospitaleiro, pois recebeu Paulo e sua comitiva na sua casa. Não tinha cansado de promover a causa de Cristo. Não tinha se tornado crítico nem cético ao longo dos anos.

Deus eterno, obrigado pelo exemplo dos que se mantêm firmes por tanto tempo. Que possa eu me tornar um deles.

Segure este pensamento: Quanto mais tempo em Cristo, melhor.[subscribe2]

Não me afastei

Sigamos o exemplo da fidelidade de Jó.

fidelidadeMuitos estão abandonando a verdade do evangelho. Outros, ao conhecerem o cristianismo original conforme no Novo Testamento, recusam a seguir Jesus e ficam no seu caminho da perdição. Mesmo no meio do sofrimento, Jó mantinha seu compromisso com os mandamentos de Deus.

Não me afastei dos mandamentos
dos seus lábios;
dei mais valor às palavras de sua boca
do que ao meu pai de cada dia.
Jó 23.12 NVI

Hoje, as pessoas querem se sentir bem. Querem emoção. Buscam felicidades em todos os lugares errados. Vão com a onda da popularidade, ou dependem de alguma autoridade religiosa. Os dois caminhos levam para longe de Deus.

Pai, obrigado pelo pão de cada dia e mais ainda pela sua palavra de salvação. Mesmo com a perda de tudo, mantenha-me firme para que eu guarde o seu mandamento. Em Cristo, amém.

Desviando depressa

Por que Deus sabe, mas nunca é boa esta mudança.

O mundo traz mudanças cada vez mais rápidas. Com os meios de comunicação dos quais nos dispomos hoje, ficamos sabendo e muitas vezes adotamos mudanças em questão de dias ou até mesmo horas. E nem todas as mudanças são boas. Frequentemente, são impensadas, ao seguirmos a onda da última moda.

Antigamente, também, havia mudanças rápidas e negativas.

Estou admirado de que estejam se desviando tão depressa daquele que os chamou pela graça de Cristo para seguirem outro evangelho.
Gálatas 1.6 BND

Pedro descobriu como se pode mudar rapidamente, um minuto andando em cima das águas, para logo estar afundando na tempestade; ou, afirmando de pés juntados a lealdade a Jesus, para negá-lo somente horas depois.

Pessoas que ontem estavam fiéis ao evangelho de Cristo hoje estão seguindo outro ensinamento. Os motivos Deus sabe, mas não há dúvida de que têm mudado e isso depressa, para seguirem a última onda de oba-oba.

Paulo procura chamar as pessoas de volta ao evangelho. Façamos o mesmo, para que, de alguma forma, salvemos alguns. Pois esta mudança, depressa ou devagar, nunca é boa.

 

 

O justo que fraqueja

Há poucos que resistem a torrente do mundanismo.

FirmezaPresenciei há umas semanas uma conversa entre um irmão que considerava fiel e um progressista na igreja. Eu estava ficando contente com a firmeza do primeiro até que o segundo o acusou de criar divisão por causa do seu protesto contra a falsa doutrina. O irmão pediu desculpas e se silenciou.

Como fonte contaminada ou nascente poluída, assim é o justo que fraqueja diante do ímpio.
Provérbios 25.26 NVI

Grande promessa mal cumprida. Assim é a pessoa justa que, por causa da pressão inevitável, cede lugar ao ímpio. O ímpio pode aparecer em qualquer lugar, mesmo na igreja. Ele puxa constantemente para o mal. Lança mão de todos os recursos da pressão para persuadir, pressionar e conseguir, se não a participação, pelo menos, a aceitação dos outros.

Há poucos na igreja, pelo que se vê, que não fraquejam perante a torrente da impureza e mundanismo que cai sobre os fiéis.

Você será um deles?

 

 

Avaliação do professor

O que faz um mestre aprovado?

EnsinoSistemas educacionais e diretores de escolas, de tempos em tempos, criam vários métodos para avaliar o professor, seja no primário, seja na universidade. Os métodos variam, dependendo da filosofia pedagógica.

Expondo estas coisas aos irmãos, será um bom servo de Cristo Jesus, alimentado com as palavras da fé e da boa doutrina que tem seguido tão diligentemente.
1 Timóteo 4:6 BND

Ser bom servo de Cristo significa falar o que as pessoas precisam ouvir, não o que querem ouvir. Significa falar a boa doutrina, não ceder aos falsos ensinamentos populares.

Quando usado para se referir a um mestre, o adjetivo “bom” transmite a idéia de que ele faz bem seu trabalho aos olhos de Deus. O mestre é bom quando transmite fielmente o ensinamento divino, não quando ele impressiona ou agrada aos ouvintes.

Este método de avaliação não mudará nunca.

Aperfeiçoados conosco

Os patriarcas? No mesmo barco conosco.

FidelidadeOs figurões da mídia apresentam um estilo de vida imitado por milhões, mas eles dependem dos fãs para sua vida. De forma semelhante, os patriarcas e as figuras bíblicas pareciam maiores que a vida, mas os cristãos não deviam achar que, por mais que demonstraram a fé, eles resumissem a soma da obra de Deus.

Todos estes receberam bom testemunho por meio da fé; no entanto, nenhum deles recebeu o que havia sido prometido. Deus havia planejado algo melhor para nós, para que conosco fossem eles aperfeiçoados.
Hebreus 11.39-40 NVI

No grande capítulo da fé, após a lista dos patriarcas que foram fiéis sem receber a promessa, os cristãos vacilantes pensavam na época dos patriarcas como a era dourada do judaísmo. Mas o autor afirma que eles somente chegaram a completar o curso da sua fé junto com os leitores, em Cristo.

Os cristãos devem seguir o exemplo de fé dos figurões do passado, mas não pensar que abandonar Cristo seria a maneira pela qual receberiam de Deus a promessa que todos encontram no Filho de Deus.