Sua glória em chamas

A glória do homem será logo destruída.

Por isso o Soberano,
o Senhor dos Exércitos,
enviará uma enfermidade devastadora
sobre os seus fortes guerreiros;
no lugar da sua glória
se acenderá um fogo
como chama abrasadora.
Isaías 10.16

O profeta Isaías revelou o juízo contra a Assíria. O poder do homem seria destruído. Numa única noite, Deus decimou o exército assírio, Isaías 37.36. Continue lendo “Sua glória em chamas”

Quando o pagão entende melhor do que o cristão

Jeremias 40.3b: Às vezes, os pagãos entendem, em alguns pontos, a obra de Deus melhor do que os cristãos. Foi assim também no Antigo Testamento.

Às vezes, os pagãos entendem, em alguns pontos, a obra de Deus melhor do que os cristãos. Foi assim também no Antigo Testamento. Continue lendo “Quando o pagão entende melhor do que o cristão”

Cada um de acordo com o que faz

Salmo 62.11-12: Cuidado! Deus julga conforme sua natureza e os nossos atos.

deus-julga-conforme-obras

É bom escutar, mas temos grande responsabilidade pelo uso dos ouvidos. Devemos escutar com muito cuidado o que Deus diz.

Mais de uma vez tenho ouvido Deus dizer que o poder é dele e o amor, também. Tu, ó Senhor, recompensas cada um de acordo com o que faz.
Salmo 62.11-12 NTLH

Com estas palavras Davi conclui este salmo de confiança. Ele afirma que “Deus é capaz de libertar seu povo e sua libertação é um ato de amor” EBC. Deus castigará aqueles que resistem sua vontade e salvará quem confia nele e não no poder humano.

O termo traduzido como amor (hebraico: hesed) descreve a atitude de Deus dentro da sua aliança com Israel. Mas R.L. Harris amplia seu significado, descrevendo-o como

“um tipo de amor que inclui misericórdia, hannun, quando o objeto está numa condição lastimável. Frequentemente se usam verbos de ação, ‘fazer’, ‘guardar’, e desse modo a palavra refere-se a atos de amor bem como ao atributo de amor. A expressão ‘bondade amorosa’ (…) não está longe do sentido pleno de hesed’” DITAT.

A afirmação dupla sobre a pessoa de Deus, portanto, não é mera afirmação de fato, mas sim de fé.

O princípio do poder/amor divino, o qual o conduz a um juízo justo, se aplica também na nova aliança de Cristo. (Ver, por exemplo, Romanos 2.6ss.) Deus julga o homem pelo que este faz e não somente pelo que fala. Precisamos crer e obedecer a vontade de Deus.

Que alívio saber que, pelos termos da sua aliança bondosa, o Senhor nos julgará, pois podemos saber qual a base do juízo.

Segure esta ideia: Deus é bom e por isso julgará conforme nossos atos.

Qualquer um que queria

Quem insiste no pecado, assiste a ruína.

rebelião traz juízoNa sua maior parte, do lado humano, o Antigo Testamento é a história dos homens que recusavam a fazer a vontade de Deus. Ilustrou bem a necessidade da vinda do Filho do Homem. Como no caso de Jeroboão.

Ainda assim o rei Jeroboão não se arrependeu dos seus maus caminhos, mas continuou a escolher para sacerdotes homens de todo tipo a fim de servirem nos altares dos morros. O rei ordenava como sacerdote desses altares qualquer um que queria ser sacerdote.
1 Reis 13.33 NTLH

O primeiro rei do reino do norte, de Israel, perdeu seu trono e sua família por fazer o que ele achava melhor. Entre suas transgressões, ordenava como sacerdote qualquer um que queria servir.

Nem o confronto direto por um profeta de Deus, o colapso do altar, a paralisia do seu braço e a sua cura não tiveram seu efeito no rei.

Quem insiste no pecado, assiste a ruína.

Como afirma o verso 34: “Esse seu pecado trouxe desgraça e destruição total para a sua família”.

 

Noite de terror

Na Bíblia tem filme de terror!

Pavor pelo juízo de DeusO título parece ser filme de terror. Mas este tem algo em comum com quem foge da palavra de Deus:

Estou cheio de confusão e tremo de medo; esperava que a noite me trouxesse alívio, mas ela só me trouxe pavor.
Isaías 21.4 NTLH

Quem faz a vontade de Deus descansa (Salmo 3.5), mas quem se rebela contra o Senhor não terá paz.

Mas tem mais nesse verso acima. O profeta está falando de si mesmo ao ouvir a visão sobre a destruição de Babilônia, como se estivesse participando da festa real quando cai o juízo de Deus.

Só de pensar na destruição dos outros deve nos deixar acordados de preocupação.

Aqui não há incoerência, mas sensibilidade para com o sofrimento alheio. Que contraste entre Isaías e Jonas!

E nós, somos mais parecidos com qual dos dois profetas?