As mãos de Deus

Salmo 119.73: Deus nos criou. Portanto, buscamos nele nossa vida.

Quando reconhecemos que foi Deus quem nos criou e que teve um propósito benéfico nessa criação, a ele iremos para buscar entendimento e para dele nos aproximar. Nosso relacionamento com ele muito bem é descrito em termos dos seus mandamentos, pois nestes é contida a sua vontade para a vida humana. Continue lendo “As mãos de Deus”

O mandamento da imitação não é apenas sugestão

Filipenses 2.5: Jesus é modelo e nós o seguimos.

Os mandamentos do Novo Testamento compõem parte essencial do evangelho, tanto que o Caminho de Cristo é chamado, por sinédoque, de mandamento, 2Pd 2.21. E nenhum mandamento expressa a natureza da vida em Cristo como este verso: Continue lendo “O mandamento da imitação não é apenas sugestão”

Política e pizza

Não um par natural, mas espiritual.

ObediênciaArroz e feijão. Férias e praia. Pelé e futebol. Política e pizza. Alguns pares nos são tão naturais que, quando se fala em um, pensamos logo no outro.

Obedeça aos meus mandamentos, e você terá vida;
guarde os meus ensinos como a pupila dos seus olhos.
Provérbios 7.2

Nas Escrituras, um par natural é mandamento e vida. Não somente no Antigo Testamento, mas também no Novo, em João 12.50.

Para nós, mandamento é restrição não muito bem-vinda. Para Deus, o mandmento traz vida, pois nos protege do mal e nos guia nos caminhos da retidão.

Amemos os mandamentos de Deus por isso.

Esqueçam deles! (Mateus 15.14)

Texto: Mateus 15

Memorize: Ele respondeu: “Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada pelas raízes. Deixem-nos; eles são guias cegos. Se um cego conduzir outro cego, ambos cairão num buraco”. Mateus 15.13-14 NVI

O assunto: a tradição acima dos mandamentos de Deus. O alvo: os fariseus e os escribas. A questão: quebrar os mandamentos.

Quando essa comissão de Jerusalém acusou Jesus de desobedecer as tradições antigas, Jesus virou a mesa e acusou-os de desobedecer os mandamentos de Deus por causa das suas tradições. Na sua explicação a seguir, e no seu pronunciamento às multidões que a contaminação vem pelo que sai da boca e não pelo que nela entra, os discípulos viram como os fariseus e escribas ficaram profundamente ofendidos. Continue lendo “Esqueçam deles! (Mateus 15.14)”