A pressão da multidão

Lucas 4.42: Não se deixe desviar!

Já sabemos a verdade, “Não acompanhe a multidão na prática do mal” Êxodo 23.2 NBV. Mas talvez ainda não estejamos cientes do poder da multidão para nos desviar da nossa missão.

Ao romper do dia, Jesus foi para um lugar solitário. As multidões o procuravam, e, quando chegaram até onde ele estava, insistiram que não as deixasse.
Lucas 4.42 NVI

No próximo verso, Jesus resiste à sua pressão, porque tinha fixado bem na mente a sua missão. Mas nosso propósito aqui é chamar atenção à pressão poderosa que uma multidão pode exercer, muitas vezes, ao sacrifício do senso de missão do indivíduo.

Isso se aplica especialmente ao seguimento de Cristo, ao cumprimento da sua obra na terra, à proclamação da verdade do evangelho, à vida dedicada a Deus.

A multidão talvez nem peça por algo que seja em si errado. Talvez ela queira que a alimentemos ou ajudemos de alguma forma. (Isso se chama egoísmo.) Mas pode nos impedir de fazer a todos o bem maior da salvação.

Que ouça eu a sua voz, ó Deus, convencido sempre pela sua palavra, e não pela pressão da multidão.

Segure essa ideia: Deus convida, enquanto a multidão, / Pra mudarmos o foco, fará pressão.

Por isso nunca ficamos desanimados

Como o peso da glória não fica pesado?

Muitas tarefas e trabalhos parecem ser tão grandes, que ficamos desanimados antes de começar. Mas, por maior que seja a obra de Deus, quando levamos em conta sua natureza, não sentimos assim.

Deus, na sua misericórdia, nos deu essa tarefa, e é por isso que nunca ficamos desanimados.
2 Coríntios 4.1 NTLH

Por que por isso, por termos recebido esta tarefa de proclamar o evangelho, não ficamos desanimados?

Porque o Senhor e o seu Espírito estão no meio disso (2 Coríntios 3.17-18). Porque, com o tempo, não ficamos cansados, mas cada vez mais parecidos com Cristo e a glória dele que refletimos cresce cada vez mais.

O “peso da glória” não fica pesado, mas sim nos traz leveza da alma.

 

Sobre este assunto, fale muito

Qual a exceção de Eclesiastes: "Fale pouco"?

“Fale pouco”, escreveu o Pregador (Eclesiastes 5.2), e como ele tinha razão de dar este conselho! Como o mundo seria melhor se as pessoas falassem menos, se parassem de jogar a conversa fora! Contudo, tem uma exceção:

Com muitas outras palavras os advertia e insistia com eles: “Salvem-se desta geração corrompida!”
Atos 2.40 NVI

Quando se trata do evangelho, devemos falar muito. Pedro pregou sobre Jesus e as pessoas ficaram sensibilizadas com a sua necessidade de obedecer à vontade de Deus.

Eu muito preferia chatear alguém por falar muito de Jesus do que deixar de falar e deixar a pessoa ir tranquilamente para o inferno.

Pedro falou muito sobre Jesus e três mil pessoas foram batizadas.

Pode você falar tanto?

Pai querido, quando se trata do meu Senhor Jesus Cristo, que eu nunca me cale, pois ele é a única esperança que temos para a salvação eterna. Amém.

Segure este pensamento: Nunca se pode falar demais sobre Jesus Cristo.

Nosso produto como cristãos

Precisamos desta clareza, deste foco.

FéAs montadoras de automóveis produzem carros. Profissionais da saúde trabalham para o bem-estar físico de seus pacientes. Mas e os cristãos? Qual o seu produto?

Paulo, servo de Deus, apóstolo de Jesus Cristo para levar os escolhidos de Deus à fé e ao conhecimento daquela verdade que conduz à piedade.
Tito 1.1 EP

A fé. Cada discípulo se esforça para produzir nos outros um relacionamento com Deus, uma vida que reflete a realidade da sua presença conosco.

Cada palavra e ato procura incutir nos outros a dedicação e a devoção ao Senhor como alvo da vida. O método, a proclamação da verdade.

Você, então, trabalha para qual produto hoje?

Ficamos com ele

Filipe mostra hospitalidade.

Filipe de Azoto a CesareiaPor todo lado, há exemplos da hospitalidade cristã para com os pregadores do evangelho. A caminho de Jerusalém, Paulo e seus companheiros chegam a Cesareia e param na casa de Filipe:

No dia seguinte partimos e chegamos à cidade de Cesaréia. Ali fomos para a casa do evangelista Filipe e ficamos com ele. Filipe era um dos sete homens que haviam sido escolhidos em Jerusalém. Ele tinha quatro filhas solteiras que profetizavam.
Atos 21.8-9 NTLH

Com sete filhas, onde ele teria colocado umas nove homens? (Em Atos 20.4 Lucas menciona sete, mais Paulo e Lucas.) Eles ficaram por “alguns dias” (verso 10). Mas de alguma forma, este homem de Deus abriu sua casa e recebeu os emissários de Cristo, pois sentia-se participante do projeto do evangelho.

Afinal, ele tinha evangelizado o eunuco e as cidades de Azoto (antiga Asdode) a Cesareia, subindo o litoral israelita. (Clique na imagem para aumentá-la.) Como alguém que tinha desfrutado, sem dúvida, a hospitalidade nessas cidades, ele agora tem oportunidade de demonstrá-la a outros.

O cristão, portanto, é sinônimo da hospitalidade, por causa do evangelho.

Que beleza

O homem tem prazer no que pode construir. Deus tem prazer em edificar vidas e conduzi-las para a eternidade.

Quando Jesus estava saindo do templo, um de seus discípulos lhe disse:
— Mestre, veja que beleza de pedras e de edifícios!
Mas Jesus lhe disse:
— Você está vendo estes grandes edifícios? Pois eu lhe digo que nenhuma pedra será deixada sobre outra; todas elas serão derrubadas.
Marcos 13.1-2 VFL Continue lendo “Que beleza”