Uma vez, e a segunda

Hebreus 9.27-28: Uma morte resolve nosso pecado, mas haverá mais uma vinda do Senhor.

Da mesma forma, como o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo, assim também Cristo foi oferecido em sacrifício uma única vez, para tirar os pecados de muitos; e aparecerá segunda vez, não para tirar o pecado, mas para trazer salvação aos que o aguardam. Hebreus 9.27-28

O autor faz uma analogia entre a morte única do homem e a de Cristo. Toma como certo que o ser humano morre uma única vez. Não volta à terra. Depois da sua morte, resta apenas o juízo final. (Acaba com a ideia de vidas múltiplas na terra.) Continue lendo “Uma vez, e a segunda”

Acabe com seu egoísmo

2 Coríntios 5.15: A vida altruísta é a vitoriosa.

E ele morreu por todos para que aqueles que vivem já não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Coríntios 5.15

Cada pessoa que tem o mínimo de autoconhecimento sabe que é, no fundo, um egoísta. Pensa primeiro em si mesmo. Faz as coisas para proveito próprio. Continue lendo “Acabe com seu egoísmo”

Que delícia essa morte!

Uma morte que significa liberdade!

Morte de CristoO assassino sabia que só podia casar-se novamente no caso da morte da esposa. Então, resolveu matá-la, para ter a liberdade de segundo casamento. Sua teologia estava correta, mas sua conclusão faltava muito. Paulo tem tanto a teologia certa como a conclusão correta.

Assim, meus irmãos, vocês também morreram para a lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerem a outro, àquele que ressuscitou dos mortos, a fim de que venhamos a dar fruto para Deus.
Romanos 7.4 NVI

Viver para a lei significa provar a própria bondade pela observação perfeita da lei. Impossível isso. O resultado disso é que a lei somente tem o poder de acusar e condenar.

Quando morremos para a lei, ficamos livres desse projeto impossível. Paulo usa a figura do casamento, no qual a morte separa os cônjuges. Pela nossa morte para a lei, ficamos livres e chegamos a pertencer a Cristo, que traz o perdão e a santidade necessária para a presença de Deus. E produz fruto para Deus, nossa santificação.

Esta liberdade da lei e o pertencer a “outro”, Jesus Cristo, por meio do seu corpo (crucificado e ressurreto) faz com que essa morte seja uma delícia, pois ela nos traz até a presença de Deus.

Terceira vez

Eles estavam subindo para Jerusalém, e Jesus ia à frente. Os discípulos estavam admirados, enquanto os que o seguiam estavam com medo. Novamente ele chamou à parte os Doze e lhes disse o que haveria de lhe acontecer.
Marcos 10.32 NVI

O terceiro anúncio no evangelho de Marcos é colocado entre a história do jovem rico (10.17-31) e o pedido de Tiago e João de receberem os lugares ao lado do Mestre (10.35-45). Continue lendo “Terceira vez”