Recompensas e confiança

Uma visão de Mateus 6.

No centro do discipulado estão as motivações corretas e o serviço exclusivo. Os pagãos escolhem a multidão e o materialismo, mas os discípulos buscam aprovação divina e confiam na providência divina. A essência da hipocrisia é uma religião praticada para impressionar o homem. Deus aprova a discrição e a simplicidade como marcas da verdadeira fé.

E seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.
Mateus 6.18b NVI

A confiança em Deus pelo pão diário acaba com a pressão de tentar garantir o próprio futuro. A preocupação deixa de preocupar. Os que buscam em primeiro lugar o reino de Deus recebem de lambuja as necessidades físicas básicas da vida, porque têm a cabeça no lugar certo, para viver corretamente em relação a Deus.

De ti, o Deus, nós dependemos e de ti buscamos a aprovação. Damos graças pela sua fidelidade e pelas suas promessas em Cristo.

Segure este pensamento: Pratique o bem para aprovação de Deus e o sirva exclusivamente.

Ele era muito bem informado

A razão do seu mover determina o nível do seu saber.

No exercício da sua função oficial, o governador Félix sabia a respeito do cristianismo. Mas este conhecimento não fazia diferença na sua vida pessoal.

Félix (…) era muito bem informado no que concerne ao Caminho.
Atos 24.22a BJ

Félix falava muito com Paulo, mas não porque queria seguir a Cristo. Queria dinheiro.

Nós, que supostamente temos tanto interesse nas coisas eternas, devemos conhecer muito bem o Caminho e o seu autor.

Mas muitos desconhecem até os dados básicos da fé. A ignorância da Bíblia entre os que professam Cristo é geral.

Um pagão sabia muito mais sobre o Caminho, por motivos políticos e sórdios, do que muitos que se chamam de cristãos.

Estes faltam, portanto, um porquê grande o suficiente para motivá-los a um conhecimento profundo das coisas de Deus.

As motivações fazem toda a diferença.

Deus que sabe todas as coisas, obrigado por nos revelar seu plano em Cristo. Que sejamos conhecedores dele por causa de nosso desejo de estar na eternidade com o Senhor.

Segure este pensamento: O porquê faz a diferença entre informações e conhecimento.

A verdade a serviço da maldade

Palavras verdadeiras, mas maliciosas.

MotivaçõesA verdade sem a sinceridade fica à mercê da maldade. A sinceridade sem a verdade anda à deriva, impulsionada pelos desejos pessoais do momento. No primeiro caso, tem-se exemplo triste nos fariseus, no ataque a Jesus.

Então os fariseus saíram e começaram a planejar um meio de enredá-lo em suas próprias palavras. Enviaram-lhe seus discípulos juntamente com os herodianos que lhe disseram: “Mestre, sabemos que és íntegro e que ensinas o caminho de Deus conforme a verdade. Tu não te deixas influenciar por ninguém, porque não te prendes à aparência dos homens.
Mateus 22.15-16 NVI

O que falaram era verdadeiro, mas lhes faltava sinceridade. Neste caso, a verdade tornou-se instrumento do mal. As motivações espirituais são fundamentais para a utilização correta da verdade.

Vê-se hoje o mesmo abuso da verdade, até, às vezes, entre o povo de Deus, quando alguém quer se apossar de poder e influência.

Para que a verdade seja libertadora, ferramenta espiritual no reino de Deus, temos de nos arrepender de nossas ambições e de colocar cada ato e pensamento sob o comando de nosso Senhor Jesus Cristo.

O maior destes é o amor

Faço do amor a coisa principal.

o maior é amorPara o casamento é bom, para noivos com estrelas nos olhos, também. Mas não foi para estes que Paulo falava. Escreveu as palavras mais lidas na história sobre o amor para uma igreja cheia de problemas, por causa do orgulho, do egoísmo e da competição.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.
1 Coríntios 13.13 NTLH

O capítulo sobre o amor aparece entre dois capítulos sobre os dons e não é por acaso. O amor, segundo Paulo, deve guiar o uso dos dons para edificar a igreja. E os dons miraculosos, tão valorizados pelos coríntios, que passarão e já passaram, são apenas ferramentas para o serviço, mas o amor é o principal.

Hoje, também, o amor precisa ser no centro das nossas atenções, cultivado entre nós, valorizado acima de tudo, praticado a cada momento.

Não menos porque o próprio Deus é amor. E, como ele, ficará até o final.