Quando o ódio é bom

Provérbios 8.13: Se não odiar o mal, não poderá temer a Deus.

O ódio é bom quando se torna uma expressão do temor a Deus:

Temer o Senhor é odiar o mal;
odeio o orgulho e a arrogância,
o mau comportamento
    e o falar perverso.
Provérbios 8.13 NVI

Se não odiar o mal, não poderá temer a Deus. Ele é santo e não aceita o mal na sua presença. Continue lendo “Quando o ódio é bom”

O justo sabe falar bem

Provérbios 10.31-32: O justo fala pouco e fala bem.

A boca do justo produz sabedoria, mas a língua perversa será cortada.
Os lábios do justo sabem o que agrada, mas a boca dos ímpios fala perversidades.
Provérbios 10.31-32 A21

O justo usa palavras certas porque se relaciona com Deus e pensa em como abençoar a vida do próximo. Continue lendo “O justo sabe falar bem”

Em quem se pode confiar?

Provérbios 30.5: Dá pra confiar nas palavras de Deus.

 

Os seres humanos decepcionam, então ficamos cautelosos. Fica difícil de confiar nas pessoas. Os políticos não são os únicos que deixam de cumprir as promessas. Amigos, colegas e membros da família também nos desapontam. Continue lendo “Em quem se pode confiar?”

Castiga sem piedade

Provérbios 20.26: Duas aplicações deste verso sobre o rei sábio.

threshing-wheat

Israel era a nação especial de Deus entre os pagãos. Era uma nação no sentido verdadeiro, com um governo, terra, fronteiras, estados (tribos) e uma população determinada por nascimento.

Como tal, o governo tinha como responsabilidade representar a vontade de Deus e promovê-la entre o povo. No início, o governo era composto por juízes e profetas. Depois, o povo exigiu um governo chefiado por um rei, como os gentios. O rei devia incentivar a justiça e prontamente castigar os malfeitores. Continue lendo “Castiga sem piedade”