Salmo 2

Comentário e aplicação deste salmo messiânico.

Alguns pensam que Salmos 1 e 2, pela sua estrutura, compõem um único salmo (ver NBV). Feliz formaria assim uma inclusão, no início, 1.1, e no fim, 2.12. O salmo trata da rebelião das nações contra o Senhor e o seu ungido, chamando-as à submissão. A aliança com Davi está por trás do salmo (ver 2.6). O mundo inteiro é o seu domínio, apontando dessa forma o cumprimento na pessoa de Jesus. Não há como resistir sua autoridade. A verdadeira felicidade está em submeter-se ao Soberano. O apelo mostra ainda a bondade de Deus em dar oportunidade do arrependimento, dando sinal da esperança e da vitória do rei. A estrutura mostra o movimento do início ao fim: a rebelião das nações na terra, 1-3; Deus no céu, 4-6; o decreto do Senhor, 7-9; o apelo aos reis das nações para submeter-se, 10-12. Em cada parte ouvimos os dizeres de cada um: os rebeldes, 3; Deus, 6-7; Deus, 7-9; o salmista, 10-12. Se de um lado o justo foge dos pecadores, 1.1, o Filho de Deus, por outro lado, destrói os rebeldes na sua ira, 9, 12, garantindo o sucesso dos que se refugiam nele. Apesar da instabilidade e do tumulto no mundo, o submisso desfruta da bênção e da paz do seu Senhor. Continue lendo “Salmo 2”

Qualquer um que queria

Quem insiste no pecado, assiste a ruína.

rebelião traz juízoNa sua maior parte, do lado humano, o Antigo Testamento é a história dos homens que recusavam a fazer a vontade de Deus. Ilustrou bem a necessidade da vinda do Filho do Homem. Como no caso de Jeroboão.

Ainda assim o rei Jeroboão não se arrependeu dos seus maus caminhos, mas continuou a escolher para sacerdotes homens de todo tipo a fim de servirem nos altares dos morros. O rei ordenava como sacerdote desses altares qualquer um que queria ser sacerdote.
1 Reis 13.33 NTLH

O primeiro rei do reino do norte, de Israel, perdeu seu trono e sua família por fazer o que ele achava melhor. Entre suas transgressões, ordenava como sacerdote qualquer um que queria servir.

Nem o confronto direto por um profeta de Deus, o colapso do altar, a paralisia do seu braço e a sua cura não tiveram seu efeito no rei.

Quem insiste no pecado, assiste a ruína.

Como afirma o verso 34: “Esse seu pecado trouxe desgraça e destruição total para a sua família”.