Temos de enterrar a nossa teimosia

Salmo 80.12: Podemos esperar que Deus seja fiel para cumprir sua palavra.

Deus é pastor das nossas almas. Ele toma conta do seu povo como um agricultor cuida da sua videira. Salmo 80 lembra dos cuidados de Deus, e do seu castigo, por causa do pecado do povo: Continue lendo “Temos de enterrar a nossa teimosia”

As mãos de Deus

Salmo 119.73: Deus nos criou. Portanto, buscamos nele nossa vida.

Quando reconhecemos que foi Deus quem nos criou e que teve um propósito benéfico nessa criação, a ele iremos para buscar entendimento e para dele nos aproximar. Nosso relacionamento com ele muito bem é descrito em termos dos seus mandamentos, pois nestes é contida a sua vontade para a vida humana. Continue lendo “As mãos de Deus”

Deus abre a sua mão, abra também a sua

Salmo 145.16: Façamos como Deus.

Deus cuida de todos os seres vivos na terra. Aquele que tudo criou, de tudo cuida. Ele alimenta os animais e abençoa o homem com suas necessidades materiais.

Abres a tua mão e satisfazes os desejos
    de todos os seres vivos.
Salmo 145.16

Da mesma forma que Deus abre a sua mão para satisfazer os desejos das suas criaturas, ele quer que você, como filho ou filha dele, abra a sua mão para satisfazer o desejo eterno de todas as pessoas.

Pois na sua mão está o evangelho, a Boa Nova que tem capacidade de saciar a fome de todos.

Pai celestial, ajude-me a ser generoso com o evangelho, como é o Senhor com suas bênçãos materiais, bem como com o amor que tem por nós em Cristo, dando-o livremente e de bom grado. Que assim possamos dar não somente a verdade da Boa Nova, mas também as nossas próprias vidas.

Salmo 2

Comentário e aplicação deste salmo messiânico.

Alguns pensam que Salmos 1 e 2, pela sua estrutura, compõem um único salmo (ver NBV). Feliz formaria assim uma inclusão, no início, 1.1, e no fim, 2.12. O salmo trata da rebelião das nações contra o Senhor e o seu ungido, chamando-as à submissão. A aliança com Davi está por trás do salmo (ver 2.6). O mundo inteiro é o seu domínio, apontando dessa forma o cumprimento na pessoa de Jesus. Não há como resistir sua autoridade. A verdadeira felicidade está em submeter-se ao Soberano. O apelo mostra ainda a bondade de Deus em dar oportunidade do arrependimento, dando sinal da esperança e da vitória do rei. A estrutura mostra o movimento do início ao fim: a rebelião das nações na terra, 1-3; Deus no céu, 4-6; o decreto do Senhor, 7-9; o apelo aos reis das nações para submeter-se, 10-12. Em cada parte ouvimos os dizeres de cada um: os rebeldes, 3; Deus, 6-7; Deus, 7-9; o salmista, 10-12. Se de um lado o justo foge dos pecadores, 1.1, o Filho de Deus, por outro lado, destrói os rebeldes na sua ira, 9, 12, garantindo o sucesso dos que se refugiam nele. Apesar da instabilidade e do tumulto no mundo, o submisso desfruta da bênção e da paz do seu Senhor. Continue lendo “Salmo 2”

Salmo 1

Comentário e aplicação do primeiro salmo.

O salmo serve como introdução ao livro. Ressalta a alegria, a satisfação, o sucesso e aprovação divina do justo, funcionando assim para recomendar a todos o caminho dos justos. Apresenta dois caminhos, o dos justos e o dos ímpios, mostrando o fim de cada um e como cada fim é atrelado à escolha que se faz. O fim é determinado e efetuado por Deus. Ou somos justos, ou somos ímpios, aos olhos de Deus. Não há outra opção. Escolher o bom caminho significa a rejeição da associação e das influências dos pecadores, além da concentração constante na lei do Senhor. A figura da árvore sugere tanto estabilidade e segurança, como também a ligação permanente à fonte da nutrição espiritual. No final, o salmo lembra a ação de Deus, que revela pela lei o bom caminho, oferece por ela a satisfação ao homem, julga sem haver resistência e garante o sucesso dos justos. Continue lendo “Salmo 1”