Pensei: O Senhor se esqueceu de mim!

Salmo 31.22: Será que Deus nos abandona nas dificuldades?

Quando a vida aperta, tendemos a pensar que Deus não está mais conosco. Que ideia besta! O problema é nosso conceito sobre o que Deus pretende fazer nesta vida conosco. Mas não seremos os primeiros a pensar dessa forma: Continue lendo “Pensei: O Senhor se esqueceu de mim!”

A voz da experiência

Salmo 30.4-5: É bom aprender da experiência alheia.

voice-experienceA voz da experiência. Bom é aprender da experiência dos outros, quando esta reflete a disciplina da parte do Senhor.

Cantem louvores ao Senhor,
vocês, os seus fiéis;
louvem o seu santo nome.
Pois a sua ira só dura um instante,
mas o seu favor dura a vida toda;
o choro pode persistir uma noite,
mas de manhã irrompe a alegria.
Salmo 30.4-5

O autor sentiu muito seguro nas suas bênçãos recebidas de Deus. “Jamais serei abalado!” disse ele, v. 6. Mas e quando se perde algo da vida? Continue lendo “A voz da experiência”

Fizeram grande lamentação sobre Estêvâo

Atos 8.1-2: Enquanto lamentamos, Deus trabalha.

Os porquês não pertencem ao homem, mas sim a Deus. Nossa visão restrita questiona o Todo-Poderoso, mas seu plano é muito maior do que um lugar ou morte ou tempestade ou perseguição específica.

Naquele dia levantou-se grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e da Samaria. E alguns homens piedosos sepultaram a Estêvão, e fizeram grande lamentação sobre ele.
Atos 8.1-2

Os homens piediosos que lamentaram sobre Estêvão tinham olhos somente para o homem morto na sua frente. Viram apenas desastre. Sentiram apenas a perda deste grande homem de Deus.

Não sonharam, e nem podiam, que a perseguição que começou naquele dia resultaria na evangelização da Judeia e Samaria. Não tinham ideia que o esvaziamento de Jerusalém, deixando apenas os apóstolos na cidade santa, começaria finalmente a cumprir o propósito divino de estender o evangelho aos quatro cantos da terra.

Ó Deus, como somos pequenos, como somos limitados pelo que vemos na nossa frente, como nos apressamos a render a nossa fé na soberania do Criador! Perdoe-nos e renove a nossa visão do seu plano imenso.

Segure essa ideia: Além da nossa presente dor, / Deus faz brotar a linda flor.

Vá onde Deus está abençoando

Rute 1.6: Vamos atrás da bênção de Deus.

Desde o princípio, as pessoas têm migrado por muitos motivos. A migração para Deus é o melhor motivo de todos.

Quando Noemi soube em Moabe que o Senhor viera em auxílio do seu povo, dando-lhe alimento, decidiu voltar com suas duas noras para a sua terra.
Rute 1.6 NVI

A frase: “viera em auxílio”, é literalmente “visitou.” O verbo é usado muitas vezes quando Deus lida com o homem, frequentemente para castigar, mas aqui para abençoar.

Deus é soberano sobre as nações e o seu povo. Seus movimentos podem ser discernidos, suas ações, identificados.

Deus pode abençoar ao mesmo tempo que seu povo sofre. O livro de Rute questiona e, no fim, responde, se a fé na bênção de Deus se justifica.

Este verso nos lembra que, quando percebemos onde Deus abenços, devemos ir até lá.

Hoje, sua mão abençoa mais em Cristo, no corpo de Cristo.

Devemos ir até lá, também.

Ó Deus, que eu veja que a fé traz bênção, a seu tempo, no tempo certo.

Segure esta ideia: Onde Deus se manifesta, ele convida a nossa presença.

Conservem o que vocês têm

Não abra mão da fé, mesmo nas piores dificuldades.

No livro de Apocalipse, as cartas de João às sete igrejas seguem um padrão, mas cada uma se adapta à situação da comunidade à qual o apóstolo escreve.

A mensagem geral é clara. A necessidade atravessa todas as fronteiras.

Conservem o que vocês têm até eu voltar.
Apocalipse 2.25 VFL

A fidelidade é a chave. Alguns precisam corrigir, arrepender-se, mudar o que está errado, a fim de ser fiéis agora e manter a fidelidade nas provações futuras.

O Senhor não coloca “nenhuma outra carga” sobre seu povo fiel, além disso: a de perseverar e vencer (versos 24, 26).

Pode vir a morte física, mas o povo vencedor da fé “de maneira nenhuma sofrerá a segunda morte” (verso 11).

Deus fiel, que eu nunca vacile, nunca desvie, que eu nunca canse da promessa daquele que vive.

Segure este pensamento: Segure a fé por mais um pouco, até que Cristo venha.

Jesus nos revela o nosso futuro

O conhecimento é poder.

É comum não contar ao paciente quando a morte se aproxima. A família não quer que os últimos dias sejam dolorosos. Pensa que a ignorância traz a paz.

O conhecimento é poder. Saber o que acontecerá antemão permite estar preparado. Ficar firme.

“Eu lhes tenho dito tudo isso para que vocês não venham a tropeçar”.
João 16.1 NVI

O conhecimento das tribulações futuras diz ao santo que Jesus o sabe e inclui o sofrimento pela sua missão como parte do plano.

Jesus não é surpreendido pela perseguição; tampouco devemos ficar surpresos.

Ele nos diz a verdade, não amacia a dureza do caminho. O discipulado significa saber o que vem pela frente, tanto o bem como o mal, e estar pronto para enfrentá-lo.

Nosso Deus, serei fiel, não importa o que acontecer. Obrigado por me preparar para seguir Jesus por todo o caminho.

Segure este pensamento: Aquele que conhece o nosso futuro também o garante.[subscribe2]

Palavras impetuosas de Jó

Quatro lições das palavras de Jó.

provaçõesJá chegou a um momento na vida quando ela não fazia sentido? Quando a dor era pesada demais? Quando ninguém entendia, e palavras de conforto só pioravam a aflição?

Então Jó respondeu: “Se tão-somente pudessem pesar a minha aflição e pôr na balança a minha desgraça! Veriam que o seu peso é maior que o da areia dos mares. Por isso as minhas palavras são tão impetuosas.
Jó 6.1-3 NVI

O Senhor não ficou chocado com as palavras de Jó, mas os amigos dele, que nunca tinham passado por aquilo, lhe responderam duramente.

O que podemos aprender com as palavras de Jó?

#1. Nem todos têm condições de ouvir. Não significa que não devemos falar, mas podemos nos preparar para uma reação negativa dos que nos consideram longe da verdade, mesmo de pessoas da nossa intimidade. Alguém disse uma vez que, como amigos assim, nem precisa de inimigos.

#2. O Senhor Deus nos permite sentir e expressar o coração. Jó não pecou nas suas palavras, mas tentou entender sua situação. Sua teologia da prosperidade não podia explicar a sua realidade, então, ele tinha de buscar ao Senhor. Foi isso que Deus quis.

#3. Outros não sabem a aflição que alguém sente. Não convém dizer para quem sofre: “Sei como você sente”. Jó nos lembra que nem imaginamos. Só podemos confessar: “Nem imagino como você sente, mas sei que Deus está presente”.

#4. As palavras de Jó ilustram bem a verdade de Romanos 8.28. Deus usa o mal para nosso bem.

Os maiores autores da História já reconheceram no livro de Jó uma obra-prima, mas mais que isso o livro é a obra de Deus na vida de um homem que ele quer aperfeiçoar.

E o Senhor escreve outro livro assim na vida de cada um de nós.

Aproveitando de tudo

Deus usa o sofrimento para o nosso bem.

SofrimentoNo movimento popular de preservar a assim chamada natureza e não desperdiçar os recursos naturais, algumas pessoas procuram aproveitar de tudo, reciclando materiais usados e, à guisa do exemplo, utilizando aquelas partes dos legumes e frutas que antes eram jogadas fora. É bom procurar aproveitar de tudo, porque é isso que Deus faz:

E também nos alegramos nos sofrimentos, pois sabemos que os sofrimentos produzem a paciência, …
Romanos 5.3 NTLH

Nós preferiríamos descartar o sofrimento, mas na economia divina ele tem sua utilidade também. Cada experiência nossa, cada evento e momento Deus usa para o nosso bem.

Portanto, ao invés de tentarmos evitar o sofrimento (tentativa impossível, vale dizer), devemos procurar aprender dele e abraçá-lo como mais um instrumento do Senhor para conduzir-nos à sua presença.

Com tal compreensão do papel das provações na obra de Deus, conseguimos nos alegrar nos sofrimentos.

Kadhafi cai, Cristo nunca

Cristo nunca cairá do poder. Isso traz coragem.

MorteEntre poderes humanos, um sobe para apenas cair logo em seguida. Isso fica mais claro em ditadores como Kadhafi, que ontem derrubou o chefe anterior da Líbia para desfrutar poder absoluto e oprimir o próprio povo, mas hoje foi derrubado por rebeldes. Mas há um que derrota o inimigo para nunca mais ser desafiado.

[Cristo] acabou com o poder da morte e, por meio do evangelho, revelou a vida que dura para sempre.
2 Timóteo 1.10 NTLH

A quebra do poder da morte não significa que não sofreremos nesta vida pelo evangelho, pois Paulo afirma isso logo em seguida. O apóstolo chama Timóteo para não ter medo de sofrer junto com ele. O discípulo deve abraçar o sofrimento como parte do serviço a Deus. Todos os da Ásia abandonaram Paulo (verso 15), porque não estavam dispostos para suportar tal sofrimento.

Então, o que significa a quebra do poder da morte? Ela significa sim que, independente do que acontece com o servo de Cristo nesta vida, ele tem a garantia da vida eterna. Nada na vida terrena pode tirar-lhe a vida celestial.

Assim, o evangelho de Cristo cria servos corajosos, que cumprirão sua missão neste mundo sem medir esforços e sem importar-se com as dificuldades.

 

Nem Jesus é o que parece

Não se deixe enganar pela condição humana de Jesus.

Nem tudo é o que parece. Nem tudo o que reluz é ouro. E nem todo ouro reluz a toda hora. Assim foi Jesus.

“(…) tudo sujeitaste debaixo dos seus pés”. Ao lhe sujeitar todas as coisas, nada deixou que não lhe estivesse sujeito. Agora, porém, ainda não vemos que todas as coisas lhe estejam sujeitas. Vemos, todavia, aquele que por um pouco foi feito menor do que os anjos, Jesus, coroado de honra e glória por ter sofrido a morte, para que, pela graça de Deus, em favor de todos, experimentasse a morte.
Hebreus 2.8-9 NVI

No capítulo 2, o autor explica por que Jesus se tornou ser humano. Se ele é superior aos anjos, por que então ele se tornou homem? Ele responde ao que podia ser uma dúvida de parte de seus leitores.

Como homem, a divindade de Jesus (1.3) não aparecia. Mas ele se tornou homem para cumprir a missão do Pai, a de experimentar a morte por todos. Nessa condição, não se vê sua supremacia, mas tem sido coroado de honra e glória ao direito de Deus.

Não se deixe enganar pela condição humana de Jesus. Ele chegou até a glória pelo caminho do sofrimento.

E não será diferente para nós.