A verdade estará conosco para sempre

2 João 2: Possuir a verdade na eternidade depende de permanecer nela agora.

Se não prezarmos a verdade agora, não a teremos na eternidade. Os que se abrem para a verdade, para que ela habite no coração e dirija toda ação e palavra, terá ela sempre. Continue lendo “A verdade estará conosco para sempre”

Nós ‘fazemos’ Jesus, sim

Deus sim, Jesus sim. Sobre ele, não pode haver dúvida.

JesusA ficção científica imagina coisas mirabolantes. Divertimo-nos com o espalhafato. O cristianismo tem a verdade grandiosa de Cristo, a qual, se não fosse pelo testemunho unido dos discípulos, aparentaria ficção.

Sem nenhuma dúvida, é grandiosa a verdade revelada da nossa religião. Essa verdade é a seguinte: Ele se tornou um ser humano, foi aprovado pelo Espírito de Deus, foi visto pelos anjos, foi anunciado entre as nações, foi aceito com fé por muitos no mundo inteiro e foi levado para a glória.
1 Timóteo 3.16 NTLH

Alguns querem arrancar do cristianismo essas verdades, mesmo religiosos. Um inglês disse a respeito da sua sociedade: “‘Fazemos’ Deus sim, mas não ‘fazemos’ Jesus”. A Inglaterra foi influenciada por séculos pela Igreja Anglicana, mas hoje, como se viu nos recentes tumultos provocados por jovens rebeldes, o país já não tem princípio moral ou religioso, nem da parte da polícia que deixou de impedi-los. Hoje seus templos religiosos estão vazios, alguns sendo vendidos por falta de fiéis e de recursos. Isso porque não ‘fazem’ Jesus.

Esta frase do inglês servem de ilustração para a igreja. Jesus está no centro da nossa fé. Quem não tem certeza destas, e outras, verdades do evangelho, nada tem a ver conosco. Aqui, não pode haver dúvida.

Quem conhece Paris?

Já fui a Paris, e você?

verdadeO Plínio morou um tempo em Paris, voltou ao Brasil e estava contando suas experiências a Marina. De repente, o Stefano o cortou, disse que não era bem assim e começou a discursar sobre a cidade. Com um detalhe: ele nunca tinha saído do Brasil.

Se aceitamos o testemunho dos homens, com maior razão aceitamos o testemunho de Deus. E o testemunho de que falamos é de Deus: ele deixou um testemunho do seu Filho.
1 João 5.9 EP

Talvez os “homens” aqui se referem aos pregadores cristãos ou, possivelmente, aos falsos mestres. Alguns pensam que se refere a João, o Imersor, a quem os falsos mestres evidentemente recorria (e cuja mensagem torcia) para afirmar que Jesus nasceu apenas da água (e que fosse apenas homem).

Por “testemunho de Deus” talvez João tenha em mente a certeza da vida eterna em Jesus Cristo certeza esta que temos pela pregação do evangelho (verso 11). Mesmo que o testemunho dos homens seja verídico, não é melhor escutar da própria fonte?

Tem gente que dá espaço hoje a pessoas pregando um outro evangelho. Têm todas as marcas de cristão, supostamente, mas sua mensagem não bate com a mensagem verdadeira. Ganham ouvidos por fazer pronunciamentos com tanta convicção. Com um detalhe: não sabem do que falam. Enganam bem.

É igual escutar a alguém falar de Paris que nunca tinha viajado para a cidade e ignorar quem acaba de voltar. Dá pra entender?