Um pecado leva a outro

Impossível cometer um só.

PecadoUm único pecado não fica só, mas leva a outro. E a mais outro. Como os religiosos judeus. A inveja levou ao homicídio, o que levou por sua vez à soltura de um rebelde e assassino.

Mas os chefes dos sacerdotes atiçaram o povo para que pedisse a Pilatos que, em vez de soltar Jesus, ele soltasse Barrabás.
Marcos 15.11 NTLH

Saiba que um pecado, por menor que pareça, abre a porta para ainda mais iniquidade tomar conta da pessoa.

A infidelidade leva à mentira e à destruição do lar. Ou, no caso, do rei Davi, ao homicídio.

A ganância leva ao prejuízo ao próximo e à idolatria.

O vício leva ao roubo e à violência.

Seja um pecado ou vários, todos levam ainda às consequências: a destruição dos relacionamentos e a separação de Deus, agora e eternamente.

O que é que você estava pensando em fazer?

Pai, impeça-me de sair da segurança da sua santidade. Que eu não tome nem o primeiro passo em direção à transgressão. Pelo teu santo Filho Jesus. Amém.

 

2 pensamentos em “Um pecado leva a outro”

  1. “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8:31,32). A mesma coisa Jesus diz aos gentios, pois em Cristo, judeus e gentios se tornam um único povo.

    O problema é que sempre há algo em nossas vidas que não queremos “nos libertar”, seja(m) vício(s), maneiras de lidar com as coisas e/ou pessoas, atitudes, “jeitos”, etc. Queremos ser perdoados, queremos estar ao lado de Cristo, mas não queremos largar aquelas coisas que tanto nos atrapalham, mas teimamos em ficar com elas. Se isto acontece, nos mostra o quanto ainda somos guiados pela carne e não pelo Espírito. Passam-se meses, anos e até mesmo décadas, e aquele “algo” continua lá, atrapalhando nossa caminhada rumo a liberdade total em Cristo.

    A verdade nos liberta, não para fazermos o que bem entendermos ou queremos, mas para andarmos segundo a vontade de Deus. “Aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou” (1 Jo 2:6). A verdade nos liberta do poder do pecado, que escraviza o homem nas concupiscências da carne.

    Não há lei para frutificar segundo o Espírito, ou seja, não há restrição alguma para andarmos em amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (cf. Gl 5:22,23). Há restrição sim, e pesada, contra o pecado e suas concupiscências (Gl 5:19-21), e elas fazem separação entre nós e Deus, além de impedir nosso acesso ao lar celestial. “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6:7). Que Deus nos ilumine, discipline e abençoe para andarmos segundo a sua soberana vontade para honrá-lo e glorificá-lo em nossas vidas.

Deixe uma resposta